Bagunça e fracasso

Bandeira do Brasil: origem, significado e história - Toda Matéria

O dirigente máximo do movimento “nós contra eles” costuma usar a bandeira nacional como símbolo de suas causas.

Coitado do Auguste Comte, que criou o positivismo tentando dar um sentido a esse mundo controverso e que entusiasmou os “fundadores” (militares, principalmente) de nossa república.

Ora, Comte imaginava que os problemas sociais e políticos de então e sempre se resolveriam através do progresso moral e científico da sociedade e, isso se daria por meio da ordem social e do desenvolvimento das ciências. Era a crença definitiva no Progresso, a consagração do Iluminismo.

Politicamente, a solução seria um “estado positivo”, que priorizaria a ciência como saber confiável.

Não vamos discutir a ideia do progresso redentor, mas a ironia dos que querem o poder pelo poder.

Tudo que move esse pessoal é a destruição da ordem – constitucional e social – porque julgam necessária uma convulsão para “restabelecerem” a dita ordem.

Um dos argumentos é o questionamento de tudo que sustenta a ordenação social, inclusive a ciência.

O “Ordem e Progresso” de nossa bandeira é esculhambado – por isso eles vestem a bandeira nas costas.

Essas aparentes incoerências são coerentes com o manual golpista de pretensos ditadores, com suas táticas fascistas.

Já em 2018, Jason Stanley, professor de filosofia, descreveu no seu livro “Como funciona o Fascismo”, o modus operandi dos potenciais fascistas, que ele define como “ultranacionalistas (étnico, religioso, cultural), representados por um líder autoritário que fala em seus nomes”.

Entre as táticas adotadas estão:

  • passado mítico (no Brasil, usam-se as riquezas naturais),
  • propaganda (haja redes sociais; sempre em campanha),
  • anti-intelectualismo (“tudo esquerdista”, “destruidores dos valores morais” …),
  • irrealidade (fake news, teorias conspiratórias, infâmias e mentiras),
  • hierarquia (“Meu Exército”, milícias, forças policiais),
  • vitimização (“não me deixam trabalhar”, “a culpa é deles” …)
  • lei e ordem (no futuro, como no Paraíso),
  • apelos à noção de pátria (“se não gosta, procure outro país”),
  • desarticulação da união e do bem-estar público.

O objetivo intermediário é a desumanização de grupos minoritários, que se fanatizam e se tornam capazes de levar o país à conflagração social – à guerra civil.

Esses “líderes”, populistas, se apresentam como representantes exclusivos de uma concepção idealizada de “povo”, baseada em “Deus, pátria e família”, a partir de uma visão distorcida de “bem comum”.

Promovem interesses particulares travestidos de causas comuns.

Quem discorda disso é considerado traidor do povo (de bem). E, tudo de ruim é responsabilidade dos que conspiram contra o povo.

Dia a dia, são fomentadas novas crises (artificiais) para manterem a polarização política, angariar lealdades e “hostilizar instituições de controle e aplicação da lei, a fim de capturá-las”, segundo Oscar Vilhena Vieira.

A mentira, a incompetência e a covardia são os elementos da “gestão”.

A maioria não conhece a História, mesmo a nossa.

Não sabem que em setembro de 1937, o governo Vargas divulgou um “documento”, atribuído à Internacional Comunista, contendo um suposto plano para a tomada do poder pelos comunistas. Anos mais tarde, ficaria comprovado que o documento foi forjado com a intenção de justificar a instauração da ditadura do Estado Novo, em novembro de 1937.

O problema é que haveria eleições no ano seguinte e o presidente queria manter-se no cargo – com plenos poderes.

Não sabem da existência do Partido Integralista (AIB), nos anos 1930, liderado por Plínio Salgado.

Os integralistas enxergavam a nação como um organismo em estado de profunda crise, ameaçado em sua unidade e ferida de morte pela corrupção.

Não sabem, sequer, do golpe de 1964,

As ameaças se repetem: comunistas e olho grande nas nossa riquezas, além da corrupção (dos outros).

Publicado por Dorgival Soares

Administrador de empresas, especializado em reestruturação e recuperação de negócios. Minha formação é centrada em finanças, mas atuo com foco nas pessoas.

2 comentários em “Bagunça e fracasso

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: