Nossos Eichmann’s

“Ó respeitáveis enganadores que troçais de mim!Donde brota a vossa política,Enquanto o mundo for governado por vós?Das punhaladas e do assassínio!(Charles de Coster, 1827-1879) Muitos conhecem o livro “Eichmann em Jerusalém” de Hannah Arendt, cujo subtítulo é “Um relato sobre a banalidade do mal“. Nele, Arendt classifica Adolf Eichmann, um carrasco nazista, como um serContinuar lendo “Nossos Eichmann’s”

Nosso Narcisinho

“O presidente Jair Bolsonaro cumprimentou Joe Biden pela posse como novo presidente dos Estados Unidos em publicação postada nas redes sociais na tarde desta quarta-feira, 20 de janeiro.” (Fonte: Agência Brasil) Após a posse de Biden: esperava até o último minuto a reviravolta de Trump, um golpe, como sonha – a partir de suas manifestaçõesContinuar lendo “Nosso Narcisinho”

O homem sábio pensa consigo mesmo

“Voltaire é e será sempre atual, porque haverá sempre superstição, fanatismo, intolerância, injustiça, simonia, milagres, tolice.” (Acrísio Tôrres) Voltaire (1694-1778) era venenoso. Toda a falsa sensação do amparo religioso e da adoção de pensamentos alheios eram evisceradas e começavam a se deteriorar ao serem expostas. “A ambição de dominar os espíritos é uma das maisContinuar lendo “O homem sábio pensa consigo mesmo”

As FFAA, uma das poucas instituições que tem o respeito da nação, não pode ser usada por interesse pessoal, de uma família!

O presidente  tresloucado que temos afirmou nesta segunda-feira (18/1) que quem decide se um povo vive em uma democracia ou em uma ditadura são as FFAA! Ele é doido mesmo? O governo representa a população, não um grupo dela, mesmo armado. Fico triste ao saber que 6.157 militares da ativa e da reserva ocupam cargos civis noContinuar lendo “As FFAA, uma das poucas instituições que tem o respeito da nação, não pode ser usada por interesse pessoal, de uma família!”

Por um projeto civilizatório

“Os Conselheiros de Estado, antes de tomarem posse, prestarão juramento nas mãos do Imperador de ‘manter a Religião Católica Apostólica Romana’, observar a Constituição e às Leis, ser fiéis ao Imperador, aconselhá-lo segundo suas consciências, atendendo somente ao bem da Nação.” (artigo 141 da Constituição Política do Império do Brasil, de 1824) Manter a religiãoContinuar lendo “Por um projeto civilizatório”

Sapere aude!

Kant provocava: dizia “Sapere aude!” (“ousai saber“), como uma incitação para que procurássemos pensar por nós mesmos e saíssemos de nossas zonas de conforto, buscando o conhecimento e a verdade, embora inatingíveis.  Nos tempos atuais, é cada vez mais necessária essa recomendação. O automatismo, a irreflexão e a servidão intelectual estão se propagando à medidaContinuar lendo “Sapere aude!”

O homem sem qualidades

Muitos receberam o meme abaixo: “Trump ganhou uma biografia antes mesmo de nascer: entre os anos 30 e 40 do século passado, o alemão Robert Musil lançou o monumental ‘O Homem sem Qualidades’”. Isso me levou a reler o tijolo (quase 900 páginas) do anti-romance de Musil. É um clássico, porque não envelhece: o mundoContinuar lendo “O homem sem qualidades”

“A inquietação e a futilidade dividem nossos dias.” (Paul Valéry)

Esperanças em 2021? Não as vejo. No ano passado, ainda acreditava que a pasmaceira governamental fosse falta de adaptação. Hoje, percebo que o objetivo é destruir as pontes que poderiam nos levar a um futuro melhor. O presente é sombrio, mas pode ser só uma prévia para o que nos espera. Talvez eu não sejaContinuar lendo ““A inquietação e a futilidade dividem nossos dias.” (Paul Valéry)”

A fissura da nossa democracia

“… O sono da vontade de dormir, O sono de ser sono. Mas é mais, mais de dentro, mais de cima: É o sono da soma de todas as desilusões, É o sono da síntese de todas as desesperanças …” (Álvaro de Campos) 2021. Os muros da iniciante democracia foram testados ultimamente; têm resistido, masContinuar lendo “A fissura da nossa democracia”

Deuses americanos

“Eu, porque nos demonstraram grande amizade, pois percebi que eram pessoas que melhor se entregariam e converteriam à nossa fé pelo amor e não pela força, dei a algumas delas uns gorros coloridos e umas miçangas … me pareceu que era gente que não possuía praticamente nada. Andavam nus como a mãe lhes deu àContinuar lendo “Deuses americanos”