Seja bom, não neutro!

“Hei de cantar as bondades de Ahura Mazda, falarei com gosto da Boa Mente e com reverência sobre a vida dos retos. E, assim fazendo, mencionarei os dois conceitos que preocupam os sábios. Ouça com seus ouvidos aos melhores conselhos reflita sobre eles com julgamento iluminado, deixe que cada um possa escolher seus credos. ComContinuar lendo “Seja bom, não neutro!”

Solidão

Viver só não é um ‘problema’ para quem se dá bem consigo, para os que têm uma riqueza interior que o contenta, como a gordura que nos mantém nos jejuns. O mundo que carregamos pode, ou não, gerenciar sua energia, ou somos satélites. Solidão é uma praga dos nossos tempos, apesar – ou talvez porContinuar lendo “Solidão”

Incumbe ao poder público permitir a devastação?

No ano passado o governo, com o decreto 9.760, criou a chamada “conciliação” de multas ambientais. “Inventada pelo ministro do Meio Ambiente, a conciliação é uma instância a mais no já demorado processo de pagamento de multas do Ibama e do ICMBio. A justificativa para sua criação foi a possibilidade de fazer audiências entre osContinuar lendo “Incumbe ao poder público permitir a devastação?”

Pensar verde

O Banco Central introduziu “Sustentabilidade” como a quinta dimensão da sua Agenda. O Bacen toma a frente e nos coloca na fronteira da regulação financeira. O presidente possivelmente não sabe disso, como não sabia da implementação do PIX, há muitos anos implantado noutros países.  As quatro primeiras dimensões são inclusão, competitividade, transparência e educação. “SustentabilidadeContinuar lendo “Pensar verde”

“Não será comprada”

Chegamos ao ponto de, reiteradamente, a saúde pública ser um joguete político. O presidente afirmou hoje que a vacina Coronavac, desenvolvida pela chinesa Sinovac em parceria com o Instituto Butantã, “não será comprada” pelo governo brasileiro. O atual presidente apela para argumentos ideológicos. Tenta criar uma nova ‘guerra fria’ – agora entre o Ocidente cristão-democrático eContinuar lendo ““Não será comprada””

O direito à propriedade privada deve ser subordinado “ao destino universal dos bens da terra e, consequentemente, o direito de todos ao seu uso”

No dia 3 de outubro, o papa Francisco divulgou sua encíclica Fratelli Tutti, sobre a fraternidade e a amizade social. Ela é inspirada em São Francisco, que morreu num 3 de outubro, 794 anos atrás. “São Francisco, que se sentia irmão do sol, do mar e do vento, sentia-se ainda mais unido aos que eramContinuar lendo “O direito à propriedade privada deve ser subordinado “ao destino universal dos bens da terra e, consequentemente, o direito de todos ao seu uso””

O que o Renascimento deve à China

Zhu Di foi o terceiro imperador da dinastia Ming; reinou de 1402 a 1424. Ele inicialmente aceitou a nomeação que seu pai fizera para sua sucessão: seu irmão mais velho, Zhu Biao e, depois, seu sobrinho Zhu Yunwen como príncipe herdeiro. Entretanto, quando Zhu Yunwen ascendeu ao trono como imperador de Jianwen começou a executarContinuar lendo “O que o Renascimento deve à China”

Queimando nosso futuro

Em cinco décadas (1970 a 2016), a vida selvagem encolheu 68%! É a sexta extinção em ritmo exponencial. Razões: degradação ambiental e ação humana. O homem dominará desertos? Não, a espécie pagará o preço. O declínio mais acentuado ocorreu na América Latina: 94%! O estudo, do Fundo Mundial para a Natureza (WWF), está aqui: (https://www.dw.com/pt-br/mundo-perdeu-68-dos-animais-selvagens-em-menos-de-50-anos-aponta-wwf/a-54881584)Continuar lendo “Queimando nosso futuro”

Mais um parque solar gigante (texto de Vanessa Bates Ramirez)

Na semana passada, houve a abertura de uma grande fazenda solar – a segunda maior do mundo – na província noroeste de Qinghai, na China. O projeto é uma colaboração entre a empresa chinesa Sungrow, especializada em inversores para fontes de energia renováveis, e a empresa estatal Huanghe Hydropower Development. Sua capacidade de 2,2 gigawattsContinuar lendo “Mais um parque solar gigante (texto de Vanessa Bates Ramirez)”

Um dos pioneiros do conservacionismo

Na Vila Mariana, em São Paulo, há uma rua com nome complicado: rua Alberto Loefgren. Poucos sabem de quem se trata – como aliás ocorre com a vasta maioria dos nomes de ruas em nossas cidades; só a cidade de São Paulo tem cerca de 50 mil logradouros. Mas, nessa época de devastação consentida deContinuar lendo “Um dos pioneiros do conservacionismo”