“Hoje, um número cada vez maior de pessoas está aprendendo que é preciso simplificar, e não complicar.” (John Sculley)

Robert Updegraff via a vida não como uma sucessão de batalhas, mas como um campo perene de cultivo e cuidados. E, que os problemas que encontramos pela frente, se encarados como desafios de crescimento, garantem nosso progresso pessoal. “A felicidade deve ser encontrada ao longo do caminho, não no fim da estrada, pois então aContinuar lendo ““Hoje, um número cada vez maior de pessoas está aprendendo que é preciso simplificar, e não complicar.” (John Sculley)”

Medo e Incertezas, por Márcio Kazuo Teramoto

O cenário que vivemos nos dias atuais é desafiador. Tempos incertos e  propícios para que surja um clima de medo. Segundo Napoleon Hill, os medos mais frequentes e poderosos dos seres humanos são os seguintes:- Medo da pobreza Medo da crítica Medo da perda da saúde Medo da perda do amor Medo da velhice MedoContinuar lendo “Medo e Incertezas, por Márcio Kazuo Teramoto”

Encontre seu lugar no mundo (por Márcio Kazuo Teramoto)

ENCONTRE SEU LUGAR NO MUNDO (MÁRCIO TERAMOTO) A vida é um fluxo constante, como um rio. Quando se encontra o lugar correto no mundo, a vida começa a fluir. Seu sonho, seus amores, seus negócios tudo começa a fluir. Imagine um quebra cabeças, uma peça só pode ser encaixada no lugar certo para ela. QuandoContinuar lendo “Encontre seu lugar no mundo (por Márcio Kazuo Teramoto)”

Paulo Freire, patrono

O pernambucano Paulo Freire faria cem anos hoje. Os políticos no poder atualmente acham que seu trabalho é perigoso, como aliás vêem toda educação. E, de fato, a proposta de Freire era transformadora (quase escrevi ‘revolucionária’). Ele é o “patrono da educação brasileira”; recebeu 35 títulos de Doutor Honoris Causa, concedidos por universidades européias eContinuar lendo “Paulo Freire, patrono”

O discurso da meritocracia

Declaração Universal dos Direitos Humanos Artigo 1Todos os seres humanos nascem livres e iguais em dignidade e direitos. São dotados de razão e consciência e devem agir em relação uns aos outros com espírito de fraternidade. Artigo 21. Todo ser humano tem capacidade para gozar os direitos e as liberdades estabelecidos nesta Declaração, sem distinçãoContinuar lendo “O discurso da meritocracia”

“A raposa sabe muitas coisas; o ouriço uma grande coisa.” (Arquíloco)

Arquíloco (680 a.C – 645 a.C.) era um guerreiro grego, mas também poeta. Dizia que “Não chegamos ao nível de nossas expectativas, caímos ao nível de nosso treinamento”. Aparentemente, era um defensor da especialização. Com esse mundo cada vez mais alvoroçado, discute-se se é melhor ser um especialista ou generalista. Essa questão não era comumContinuar lendo ““A raposa sabe muitas coisas; o ouriço uma grande coisa.” (Arquíloco)”

Temos muito o que fazer, preparando nosso próximo erro

“Hoje, eu realmente não acredito em coisa nenhuma que possa acontecer no Brasil”: desabafo de Antonio Callado, uma semana antes de morrer. Um livro póstumo, com suas crônicas, foi intitulado “O país que não teve infância”. Amadurecemos? Os portugueses chegaram por aqui em 1500. Os ingleses começaram, de fato, a colonização do que viria aContinuar lendo “Temos muito o que fazer, preparando nosso próximo erro”

Pequeno Texto sobre pessoas e baobás (por Márcio Kazuo Teramoto)

“Um baobá, se a gente custa a descobri-lo, nunca mais se livra dele. Atravanca todo o planeta. Perfura-o com suas raízes. E se o planeta é pequeno e os baobás numerosos, o planeta acaba rachando.“ (Antoine de Saint-Exupéry) E como o baobá, os sentimentos como inveja, ódio, avareza…nos racham e nos destroem, de dentro paraContinuar lendo “Pequeno Texto sobre pessoas e baobás (por Márcio Kazuo Teramoto)”

O invisível gera o visível, por Márcio Kazuo Teramoto

“O Essencial é invisível aos olhos” (Antoine de Saint-Exupéry) Tamanha sabedoria em uma simples frase. O mundo visível é consequência do mundo invisível. Se quer uma realidade diferente, mude primeiro por dentro. A cada vez que leio esta frase de Exupéry, lembro de uma velha história. Em um sítio havia uma amoreira; não dava frutosContinuar lendo “O invisível gera o visível, por Márcio Kazuo Teramoto”

Como nos alimentaremos?

“Flexitarianos, reducetarianos, climaterianos. Veganismo preto, feminismo vegano. Carne cultivada, fermentação de precisão, comida ética, clean-meat, plant-based. A alimentação pede um novo e mais diverso léxico, que se multiplica no ritmo dos estilos de vida, comportamentos, pautas identitárias e profusão de tribos fora e dentro nas redes sociais. Se durante décadas a indústria de alimentos pautou-seContinuar lendo “Como nos alimentaremos?”