Uma visão sobre o viver e morrer

Continuo o tema abordado num post anterior (https://balaiocaotico.com/2022/05/11/a-dor-educa/), com um depoimento de Elisabeth Kübler-Ross, que abre seu livro “A Roda da Vida”. Ela encoraja o “seguir em frente” e perceber a relevância de cada minuto que a vida nos entrega. Pessoalmente, tenho pensamentos diferentes sobre “acaso” e “destino”, que não importam. O objetivo é trazerContinuar lendo “Uma visão sobre o viver e morrer”

“A certeza para as múltiplas situações e problemas da vida é realmente das coisas raras” (Malba Tahan)

Malba Tahan é o pseudônimo do escritor carioca Júlio César de Mello e Souza, também professor, matemático e engenheiro. Entre os seus 120 livros está o célebre “O homem que calculava”. O NATAL DO BOM CALIFA “A certeza, na vida – dizia um velho beduíno, meio filósofo, que conheci em Damasco -, é mais raraContinuar lendo ““A certeza para as múltiplas situações e problemas da vida é realmente das coisas raras” (Malba Tahan)”

“A Terra é minha pátria, a humanidade é minha família” (Gibran)

Gibran Khalil Gibran foi poeta, pintor e escritor. Em suas veias corria o sangue de uma multiplicidade de culturas como a fenícia, aramaica, assíria, persa, grega, árabe e outras. Libanês, emigrou para os EUA, quando tinha doze anos de idade, levado (com os irmãos) por uma mãe corajosa – uma costureira -, que buscava aContinuar lendo ““A Terra é minha pátria, a humanidade é minha família” (Gibran)”

A Nêmesis chegará?

Aubrey de Gray é diretor científico de uma organização que se dedica a um modelo de reparação de danos projetado para combater as doenças da velhice, consertando ou desfazendo o que o corpo causa a si mesmo simplesmente por estar vivo. Ele sugere que a ciência médica está prestes a desenvolver tecnologias que, por meioContinuar lendo “A Nêmesis chegará?”

A dor educa

“As pessoas mais bonitas que conhecemos são aquelas que conheceram a derrota, o sofrimento reconhecido, a luta, a perda, e encontraram seu caminho para fora das profundezas. Essas pessoas têm uma apreciação, uma sensibilidade e uma compreensão da vida que as enche de compaixão, gentileza e uma profunda preocupação amorosa. Pessoas bonitas não acontecem apenas.”Continuar lendo “A dor educa”

“Invejo a burrice, porque é eterna.” (Nelson Rodrigues)

Como destruir um planeta sem fazer muito esforço. Este é um capítulo de um livro de Noam Chomsky. Um historiador do futuro – se houver – perceberá que neste nosso mundo, existem os que estão tentando com afinco fazer algo em relação às ameaças que nos cercam e outros que estão agindo para intensificá-las. OContinuar lendo ““Invejo a burrice, porque é eterna.” (Nelson Rodrigues)”

O estado de ilusória vigília no qual vivemos

Rabindranath Tagore, nascido num 7 de maio, foi poeta, educador, escreveu cantos, óperas-balés, romances, peças de teatro, novelas, ensaios e, depois dos 60 anos se pôs a pintar. Foi o primeiro não-europeu a ganhar o Nobel de Literatura. Chegou a fundar uma escola, que chamou de a “morada da paz”. Seu sistema educacional não eraContinuar lendo “O estado de ilusória vigília no qual vivemos”

“Nenhum mal atingirá o justo”

“Ao justo nada acontece de mal, mas os ímpios estão cheios de infelicidade”, disse Salomão em Provérbios 12, 21. Pudera! Vemos sempre e ao redor a injustiça prevalecendo. É necessário um laço de fé para aceitarmos que o justo e o bom predominarão. Embora, a infelicidade habite os ímpios, sim, mesmo que tentem dissimulá-la, e,Continuar lendo ““Nenhum mal atingirá o justo””

A realidade se antecipa à ficção?

Para Mark Twain, a diferença entre a verdade e ficção é que a ficção faz mais sentido. Relendo “Becos da Memória”, de Conceição Evaristo, selecionei uma de suas “escrevivências”. “As histórias são inventadas, mesmo as reais, quando são contadas.” (Conceição Evaristo) Bondade era um personagem diferente, não tinha casa, “morava em lugar algum, a nãoContinuar lendo “A realidade se antecipa à ficção?”

O mundo não é justo; só apertado

Jesus foi traído. Judas é o que foi escolhido para judas. Muitos o traíram; ele é traído por nós, por dois milênios, principalmente por seus ricos supostos representantes terrenos. O poder tem seus interesses, dinâmicos e desenfreados; esses interesses moldam a “justiça”. Nós, ah! nada somos. ” (…) Já há tantos séculos que a humanidadeContinuar lendo “O mundo não é justo; só apertado”