“We’ve read enough books.” (Jared Kushner, genro de Trump)

Bruno Latour: “Não existe sistema capaz de resistir à viralidade da ação  política” | Cultura | EL PAÍS Brasil
(Bruno Latour)

Bruno Latour, filósofo, sociólogo e antropólogo francês, vem procurando alertar sobre a “Nova História”, que se iniciou quando se supôs o “fim da história”.

Essa nova história se apoia na “desregulamentação”, nas porteiras abertas para a globalização, ou seja, o domínio das grandes corporações – através de governos populistas títeres -, tendo como imediata consequência a violenta explosão da desigualdade.

Nessa mesma época também começa a sistemática operação para a negação da existência da mutação climática. Ele não gosta da expressão ‘crise ecológica’, pois crise dá a impressão que o problema vai passar.

Ele desconfia que “as elites” concluíram que não há mais lugar suficiente na terra para elas e o “resto” de seus habitantes. Decidiram acabar com o fingimento de que a ‘história’ continuaria conduzindo a todos a um horizonte comum, no qual “todos os homens” poderiam prosperar (e serem felizes). Isso explica porque os EUA saíram do acordo de Paris.

“A ausência de um ‘mundo comum’ a compartilhar está nos enlouquecendo.”

Para ele, entramos num Novo Regime Climático, que deve ser compreendido junto com a explosão da desigualdade e o desejo de um “retorno” às velhas proteções do Estado nacional, traduzido em muitos lugares como ‘populismo’.

Em 2015, quando o acordo sobre o clima foi firmado na COP21, “os países signatários, ao mesmo tempo em que aplaudiam o sucesso do improvável acordo, davam-se conta, horrorizados, de que se todos avançassem conforme as previsões de seus respectivos planos de modernização, não existiria planeta compatível com suas expectativas de desenvolvimento. Iriam precisar de vários planetas, e eles só têm um.”

O apelo às religiões salvacionistas também se encaixa nessa lógica: para as massas, o céu, o paraíso – desde que não se incomodem com a crescente desigualdade.

“COM AS MASSAS TUDO,

SEM AS MASSAS NADA.

OU AMASSAS TUDO,

OU NÃO AMASSAS NADA.” (Samaral, 1948-1998)

Há várias saídas para esse dilema, sabemos, mas poucos líderes terão estatura para persegui-las. A grande maioria irá para o negacionismo como forma de escapismo da realidade.

Ao invés da polarização esquerda-direita, recomenda uma mudança de horizonte, o “polo terrestre”, como uma espécie de terceira via. Abarcar “pontos de vida” e não apenas pontos de vista.

Publicado por Dorgival Soares

Administrador de empresas, especializado em reestruturação e recuperação de negócios. Minha formação é centrada em finanças, mas atuo com foco nas pessoas.

Um comentário em ““We’ve read enough books.” (Jared Kushner, genro de Trump)

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: