Etnomatemática

Ubiratan D’Ambrosio era um matemático, reconhecido mundialmente pela comunidade acadêmica por seus estudos pioneiros na área de Etnomatemática. O que é isso? É “a matemática praticada por grupos culturais, tais como comunidades urbanas e rurais, grupos de trabalhadores, classes profissionais, crianças de uma certa faixa etária, sociedades indígenas, e tantos outros grupos que se identificamContinuar lendo “Etnomatemática”

Há salvação?

Brian Greene, físico e matemático, não acredita no livre-arbítrio, essa ideia tão cara aos humanistas. Para ele, “quando reconhecemos que cada ação e decisão nossa são apenas partículas que atravessam o nosso corpo e o nosso cérebro, e que esse movimento é totalmente governado pelas leis da Física, percebemos que não há oportunidade para interferir.Continuar lendo “Há salvação?”

“… como é fácil se deixar levar” (Morin)

“Entramos na era das grandes incertezas”, diz Morin – que no próximo 8 de julho completará insuficientes 100 anos – querendo nos lembrar que nós, e principalmente os governantes, estamos sem bússola. Aliás, as bússolas indicam: “mudemos de rumo”, há precipícios à frente! Essa pandemia poderia nos ensinar alguma coisas sobre a solidariedade, a inteligência,Continuar lendo ““… como é fácil se deixar levar” (Morin)”

Obrigado pelos Parabéns

Agradeço aos amigos e amigas, tantos, que se dispuseram a dedicar parte de seu tempo para me enviar uma mensagem de aniversário. Como isso é bom, como nos reforça! No Linkedin, não consigo responder a todos. Lamento. A vida é sopro, mas nem sempre leve; fugaz, mas às vezes parecendo eternizar problemas; simples, mas trazendoContinuar lendo “Obrigado pelos Parabéns”

A felicidade, por Madame du Châtelet

Émilie du Châtelet (1706-1749) era uma cientista, aficionada por matemática e física. Foi educada num padrão diferente para uma menina da época. Aprendeu latim, grego, alemão, italiano e inglês e, música, dança, teatro, literatura e ciência. A tradução que fez do Principia Mathematica, de Newton, continua como padrão em francês: um volume de mais deContinuar lendo “A felicidade, por Madame du Châtelet”

A abstração a um passo da ficção

Será que físicos precisam de evidência empírica para confirmar suas teorias? Assim Marcelo Gleiser começa um capítulo (Ciência em Crise?) de seu novo livro. Acompanhamos que algumas áreas da ciência procuram se desobrigar da necessidade de “comprovar” seus enunciados – como provar o Big Bang, por exemplo. As hipóteses tendem a permanecer como conjeturas, nãoContinuar lendo “A abstração a um passo da ficção”

O pensar diferente

A história de Giordano Bruno é bem conhecida: terminou na fogueira porque escreveu um livro que falava da pluralidade dos mundos e aventava a possibilidade de existir vida em outros planetas, entre outras heresias. Outros, que achavam que poderiam pensar diferentemente do permitido, são pouco conhecidos. Um deles é Miguel Servet, pensador espanhol que seContinuar lendo “O pensar diferente”

A alma do mundo

Ideias à margem da ciência oficial, porém instigantes. Um encontro de um matemático (Ralph Abraham), um biólogo (Rupert Sheldrake) e um botânico (Terence McKenna) – com horizontes além do cânone científico. O matemático é focado na teoria do caos; o biólogo criou a moderna teoria dos campos morfogenéticos; e, o botânico se aventurava na etnofarmacologiaContinuar lendo “A alma do mundo”

A gangrena do hospital

Na Idade Média, os “médicos”, ao lidarem com a peste tinham seus cuidados. Usavam uma máscara com bico que possuía em seu interior uma composição de perfumes e ervas que o ajudavam a lidar com os miasmas – os ares infectos. Além disso, um casacão, para protegê-los de contaminantes, botas, luvas, uma vara e umaContinuar lendo “A gangrena do hospital”

Legibilidade

James C. Scott, em seu livro Seeing like a State, apresenta o conceito de “Legibilidade“: “Centenas de anos atrás, as florestas serviam para muitas coisas – eram locais onde as pessoas colhiam madeira, mas também onde os habitantes locais procuravam alimentos e caçavam, bem como um ecossistema para animais e plantas. De acordo com aContinuar lendo “Legibilidade”