Inteligência sem mente

“Sistemas de IA com inteligência competitiva humana podem representar riscos profundos para a sociedade e a humanidade, conforme demonstrado por extensa pesquisa e reconhecido pelos principais laboratórios de IA”, diz uma carta do Future of Life Institute, assinada por luminares, entre eles Steve Wozniak e Elon Musk. “Conforme declarado nos amplamente endossados Princípios de IA deContinuar lendo “Inteligência sem mente”

ChatGPT, trabalho e educação

A inteligência artificial afetará de forma relevante a forma como hoje vemos as profissões. Muitas perderão valor e podem sumir, outras requererão novos perfis e, também, novas tantas surgirão. É apavorante ou deslumbrante? Só mutante. Thomas Friedman escreveu recentemente: “a última vez que inventamos uma tecnologia tão poderosa como a IA foi a energia nuclear”.Continuar lendo “ChatGPT, trabalho e educação”

A mentalidade do crescimento

A febre das startups continuará com a mesma temperatura? A mentalidade de que tornar-se bilionário rapidamente, pegando carona em foguetes movidos a liquidez, para – em muitas das vezes – vender fantasias (“a dor do cliente”) sem retornos econômicos e sociais, não é apenas mais uma bolha, como a da virada do século? Palavras comoContinuar lendo “A mentalidade do crescimento”

Novidade e normalidade

“A alma humana tem ainda mais necessidade do ideal do que do real. É pelo real que existimos; é por ideal que vivemos.” (Victor Hugo) Uma empresa pode ser orientada à novidade ou à normalidade, nos extremos. A maioria cultiva valores, às vezes não explícitos, que levam à normalidade. Assim como na vida pessoal, tudoContinuar lendo “Novidade e normalidade”

Especialistas e generalistas

“Pela falta que nos faz/ A nossa própria luz a nos orientar” (Estrelas, Oswaldo Montenegro) Com a crescente capacidade de “leitura” e “interpretação” dos fenômenos trazida pela inteligência artificial, restará aos humanos distinguir-se por sua ainda inalcançável emotividade. Pesquisas em neurociência evidenciam que a emoção é tão importante quanto a razão para orientar nossas escolhasContinuar lendo “Especialistas e generalistas”

Como “quebrar” uma empresa

Dirigir uma empresa é como pilotar um avião, um navio, ou conduzir um veículo – às vezes acima da velocidade recomendada. É necessário que existam os instrumentos de controle requeridos e que estes sejam rotineiramente observados atentamente pelo condutor. Antes das partidas convém que se verifique um checklist, que se tenha um destino claro eContinuar lendo “Como “quebrar” uma empresa”

A isca

Enquanto restarem empregos teremos a questão da remuneração na pauta. As mudanças forçam as organizações a se adaptarem, porém, para qualquer que seja o arranjo seguido, é necessário que o vínculo do empregado com a empresa mantenha-se “satisfatório”. Esse é um assunto sempre atual. As alternativas para que se reduzam as queixas habituais (o salárioContinuar lendo “A isca”

Por que tanta maldade?

“O que eu quero é proteger-me, a mim, aos meus e à minha família. E os outros que se tramem (se lixem). (…) É preciso suplantar uma biologia muito forte”, diz António Damásio. A solução é educar maciçamente as pessoas para que aceitem os outros, complementa. O cardápio do mal é servido a partir dosContinuar lendo “Por que tanta maldade?”

Natureza e desenvolvimento sem antagonismo

A concentração de CO2 na atmosfera superou 420 ppm (partes por milhão) em maio do ano passado, segundo a NOAA (Administração Oceânica e Atmosférica dos EUA, em inglês). Este é o maior índice desde o começo das mensurações. Ao longo da história pré-industrial as concentrações se mantiveram consistentemente em torno das 280 ppm, por quaseContinuar lendo “Natureza e desenvolvimento sem antagonismo”

“Proteja-me do que quero” (Jenny Holzer)

Com o iluminismo, a partir do século XVIII, acreditou-se que haveria uma harmonia entre o “progresso” e aumento da felicidade. O progresso anunciado se traduziria em avanço do saber científico, uma disparada na produtividade, o “domínio” definitivo da natureza pela tecnologia, a libertação das mentes do jugo religioso, superstição e servilismo, a transformação das instituiçõesContinuar lendo ““Proteja-me do que quero” (Jenny Holzer)”