Numa equipe, talentos individuais importam mais?

Quanto depende do talento individual e quanto da capacidade de trabalho em conjunto dos membros da equipe? Nos esportes, nos negócios e em centros de pesquisa científica: o que é preciso para se criar uma equipe de sucesso? “As pessoas se surpreendem quando o time dos sonhos perde”, diz Brian Uzzi. Às vezes, ao seContinuar lendo “Numa equipe, talentos individuais importam mais?”

A meta de Buffett: encontrar negócios nos quais o potencial de ganhos aumenta enquanto o risco diminui

A estratégia de investimentos de Buffett consiste em encontrar empresas que tenham uma vantagem competitiva durável, além de solidez econômico-financeira. E sentar em cima. Empresas com essas características mostram tanta força e previsibilidade no crescimento de seus lucros que suas ações se transformam em uma espécie de ‘equity bonds‘, como se fora um título comContinuar lendo “A meta de Buffett: encontrar negócios nos quais o potencial de ganhos aumenta enquanto o risco diminui”

“Mais quero asno que me leve, que cavalo que me derrube” (ditado popular)

Estamos chegando a uma dívida próxima a 100% do PIB, após os gastos para atenuar os efeitos da pandemia. O gasto público representava 11% do PIB em 1991; em 2019 chegou a 20%. Então, ou se aumenta a carga tributária ou a dívida. Aumentamos ambas. A dívida continuará crescendo nos próximos anos, e atingirá 110%Continuar lendo ““Mais quero asno que me leve, que cavalo que me derrube” (ditado popular)”

Progresso. Um evangelho?

O progresso tecnocientífico, norteado pela razão e experimentação, e pautado pelo valor da eficiência, provoca diversos efeitos ambivalentes na sociedade e na biosfera advindos da relação de efeito mútuo existente entre as criações humanas – dentre elas a técnica – e a vida social e o meio ambiente. Como fazer o ‘progresso’ incluir a defesaContinuar lendo “Progresso. Um evangelho?”

“… representante da forte e tenaz sub-raça do infeliz Nordeste brasileiro.”

O cearense Delmiro Gouveia (1863-1917) foi uma espécie de Mauá nordestino, um pioneiro do capitalismo. Fez-se por si mesmo, era autoritário, decidido e corajoso na adoção de novas técnicas. Construiu o Mercado do Derby, em Recife, considerado um dos primeiros shopping centers do Brasil; o Grande Hotel Internacional, então um dos melhores das Américas; investiuContinuar lendo ““… representante da forte e tenaz sub-raça do infeliz Nordeste brasileiro.””

O Brasil tem que “deixar de ser um país de maricas” e enfrentar a pandemia de Covid-19 de “peito aberto”

Esse senhor que está na presidência não tem juízo? Ou se faz de doido para agradar seus fanáticos seguidores? Chamar de “maricas” o povo brasileiro porque procura se precaver de uma pandemia é antipatriótico, desumano, estúpido e mostra o perfil insensível – sociopata – desse governante. Comemorar o ‘insucesso’ de uma vacina, patrocinada por umContinuar lendo “O Brasil tem que “deixar de ser um país de maricas” e enfrentar a pandemia de Covid-19 de “peito aberto””

“A Amazônia já era!”

Nos anos 70, a ditadura militar anunciava nas principais revistas da época que o “Inferno Verde” seria integrado. O inferno era a Amazônia. Para garantir a ‘segurança nacional’ – o mantra que tudo justificaria – a região precisava ser ocupada (antes, naturalmente, desmatada e seus ocupantes originais cederiam espaço aos novos desbravadores). Era necessário “protegerContinuar lendo ““A Amazônia já era!””

O poder não corrompe, ele só evidencia e acentua nossa corrupção

Hoje, 04 de novembro, é o dia da Favela. Podem rir. O que alguns preferem chamar de ‘comunidades‘ é algo fantástico! Mostra toda a capacidade de adaptabilidade do pobre, desamparado totalmente dos ‘poderes’ públicos e das garantias constitucionais. Ao invés da atenção e proteção estatais, são discriminados, marginalizados, ignorados, evitados e, fábrica de detentos eContinuar lendo “O poder não corrompe, ele só evidencia e acentua nossa corrupção”

A economia e suas linhas emaranhadas

Há os que vêem a vida como uma sucessão de eventos determinísticos, isto é, uma série de efeitos gerados por causas específicas. Esta ideia, originada na física clássica, newtoniana, sugere que podemos entender o mundo a partir das leis que regem cada sistema. Conhecendo-se tais leis, expressas em equações, seria possível ‘prever’ (projetar) o estadoContinuar lendo “A economia e suas linhas emaranhadas”

“We’ve read enough books.” (Jared Kushner, genro de Trump)

Bruno Latour, filósofo, sociólogo e antropólogo francês, vem procurando alertar sobre a “Nova História”, que se iniciou quando se supôs o “fim da história”. Essa nova história se apoia na “desregulamentação”, nas porteiras abertas para a globalização, ou seja, o domínio das grandes corporações – através de governos populistas títeres -, tendo como imediata consequênciaContinuar lendo ““We’ve read enough books.” (Jared Kushner, genro de Trump)”