Competitividade

Vez em quando volto a esse assunto: as empresas brasileiras não se interessam por competitividade. Claro, há várias exceções, algumas até honrosas. Confundem competitividade com concorrência. Ora, um membro de um oligopólio vê o outro como concorrente, mesmo quando se entendem e se cartelizam. Competitiva é a empresa que adota o padrão mundial como referência,Continuar lendo “Competitividade”

O consumo nos consome

Monteiro Lobato viveu em Nova Iorque entre 1927 e 1931. Escreveu lá alguns livros, entre eles, América, um diálogo com Mr. Slang, um personagem fictício. Não descobri porque esse nome (gíria, em português). Mr. Slang já havia opinado sobre o Brasil, num livro anterior, Mr. Slang e o Brasil. Neste livro, Lobato levantava várias questões,Continuar lendo “O consumo nos consome”

A cada 23 minutos um jovem negro é assassinado no Brasil

A cada 23 minutos um jovem negro é assassinado no Brasil, e 71% das pessoas assassinadas no país são negras. Mas não há racismo neste país, dizem as autoridades! Só azar por nascer com a cor errada. Os liberais acreditam (querem que acreditemos) que isso é fruto da pobreza e, é-se pobre porque não seContinuar lendo “A cada 23 minutos um jovem negro é assassinado no Brasil”

Tenentismo

Pedro Bruno (1888-1949), ao pintar o quadro “A Pátria” queria representá-la como uma construção da nação. Requereria calma, serenidade, colaboração e persistência. União em torno de um propósito. Mas, depois, se não se tomar cuidado, alguém se apropria. Agora, por exemplo, há um grupo que se julga porta-bandeira, único defensor dos valores pátrios. Não háContinuar lendo “Tenentismo”

Um pacto fáustico

Paulo Guedes disse, há dois dias, que a agenda liberal encolheu em razão de circunstâncias políticas e considerou que o grau de adesão do presidente à agenda econômica caiu de 99% para 65%. É uma surpresa isso. Os 65%, claro. Paulo Guedes continua vivendo o mito da caverna. Acredita nas sombras. O mercado, em especialContinuar lendo “Um pacto fáustico”

Quem me entende?

“Eduardo Loyo disse ver pressão altista sobre os juros internacionais, dado o estímulo fiscal sem precedentes nas economias desenvolvidas. Em relação ao Brasil, Loyo considerou que, diante do plano de normalização parcial da política monetária, a transparência adotada pelo BC em suas comunicações com o mercado leva investidores a interpretar as mensagens da autarquia comoContinuar lendo “Quem me entende?”

Legibilidade

James C. Scott, em seu livro Seeing like a State, apresenta o conceito de “Legibilidade“: “Centenas de anos atrás, as florestas serviam para muitas coisas – eram locais onde as pessoas colhiam madeira, mas também onde os habitantes locais procuravam alimentos e caçavam, bem como um ecossistema para animais e plantas. De acordo com aContinuar lendo “Legibilidade”

“… pelo progresso do nosso subdesenvolvimento”

Entre 1860 e 1913, os Estados Unidos chocaram alguns países quando superou a Grã-Bretanha, tornando-se a maior economia do mundo. Naquele período, o crescimento anual americano era de 4% em média. Estranheza, mal estar, mas visto como natural. Agora, é a vez da China. Ela se tornará a maior economia do mundo até o finalContinuar lendo ““… pelo progresso do nosso subdesenvolvimento””

A decisão de assumir riscos

“Israel desenvolveu uma criatividade proporcional não ao tamanho físico do país, mas aos perigos que ele enfrenta”, disse Shimon Peres, presidente entre 2007 e 2014. Um país do tamanho do nosso menor estado, com solo estéril, pouca água e cercado de hostilidades. O único recurso “natural” é sua população. Um povo que tem uma históriaContinuar lendo “A decisão de assumir riscos”

Há uma bolha sendo inflada?

“Examine o registro da história, lembre-se do que aconteceu no círculo da sua própria vida, considere com atenção o que ocorreu com quase todos os grandes infortunados, seja na vida privada ou pública, de quem você pode ter lido ou ouvido a respeito, ou de quem se recorde, e você descobrirá que a maioria esmagadoraContinuar lendo “Há uma bolha sendo inflada?”