Não há garantias

A “digitalização”, usemos este termo, se imiscui em tudo, convidada ou não. Ela, através de suas manifestações (AI, robótica, automação em geral, conectividades via redes sociais, VR, AR, XR, IoT etc.) dominará nossos ambientes no trabalho, na sociedade, no governo – na vida. Além de sua influência direta, ela permite a alavancagem de tecnologias nasContinuar lendo “Não há garantias”

Solo

“Hoje sorriem-me a terra e os céus;sinto no fundo da minha alma o sol;eu hoje vi-a…, vi-a e ela olhou-me…Creio hoje em Deus!” (Gustavo Adolfo Bécquer, 1836-1870) Há um lema repetido por Ana Primavesi: “Solo sadio, planta sadia, ser humano sadio”. Sua preocupação era manter a “terra viva”, para que ela possa gerar mais vida:Continuar lendo “Solo”

Eterna Primavesi

Ana Primavesi era agrônoma. Batalhou pela inclusão do aspecto biológico, em especial do solo, com visão holística, sistêmica. Tinha uma visão ecológica ou agroecológica de manejo, sendo a responsável pelo avanço nesses estudos. Foi uma das pioneiras na preservação do solo e recuperação de áreas degradadas, abordando o manejo do solo de maneira integrada comContinuar lendo “Eterna Primavesi”

A teia da natureza

Dersu Uzala era um caçador indígena que vivia nos confins da Sibéria. Dersu conhecia, compreendia e amava todas as formas e manifestações da vida. Ele falava aos animais, à floresta, às nuvens e ao sol, ao fogo e à noite. Sua existência nos foi trazida pelo livro do explorador russo Vladimir Arseniev, que o conheceuContinuar lendo “A teia da natureza”

Futuro verde

A COP 26 acabou, naturalmente, com muito blá e poucos avanços reais. Até o governo brasileiro assinou compromissos para inglês ver. “Ação fala mais alto do que palavras”. O Brasil tem uma avenida de oportunidades à sua frente, a bioeconomia. Não dá para ficar esperançoso, porque não é a primeira vez que fechamos as portasContinuar lendo “Futuro verde”

Saga da Amazônia

“A Amazônia é como uma mulher sedutora: seus cronistas parecem não resistir a considerar a selva não um sistema ecológico, mas um território metafísico de teste, um lugar que induz o homem a impor sua vontade somente para mostrar sua impotência.” (Greg Grandin) Os invasores sempre pagam um preço por sua agressão. Se não osContinuar lendo “Saga da Amazônia”

A reação dos negacionistas

COP 26. Os que conduzem o mundo da forma como vemos, movido a combustíveis fósseis, não estão calados. Agora, se põem como vítimas de um grande complô ambientalista que desejaria frear o “progresso”. Donald Forbes, um jornalista anglo-escocês aposentado, lamenta que “estamos no meio de uma luta titânica e sem precedentes: todos os governos doContinuar lendo “A reação dos negacionistas”

Hidrogênio é a saída?

De acordo com o estudo “Scaling up”, produzido pelo Hydrogen Council, o hidrogênio verde pode representar 18% de toda a energia consumida mundialmente em 2050, reduzindo anualmente 6 Gt de emissões de CO2 e eliminando os principais poluentes do ar, como dióxido de enxofre, óxido de nitrogênio e materiais particulados, além de diminuir o nível deContinuar lendo “Hidrogênio é a saída?”

Celeiro do mundo

Em 1799, o alemão Alexander von Humboldt iniciou sua viagem de pesquisa pela América Latina. No início de 1800 ele chegou à Amazônia brasileira. Foi barrado: o governo português receava que o alemão fosse um espião (comunista?). “Foi encontrado um manuscrito do príncipe regente do Brasil, Dom João, endereçado ao governante da capitania do Ceará.Continuar lendo “Celeiro do mundo”

Complexidade

“Não basta unir o saber (a ciência) à alma (à consciência); é preciso incorporá-la àquele; não basta regá-lo, é indispensável com ela tingi-lo.” (Montaigne) Em 1982, Edgar Morin publicou “Ciência com consciência”, que deu origem ao Paradigma da Complexidade, já exposto nos primeiros volumes de “O Método”. Defendia, já então, o desenvolvimento de uma ciênciaContinuar lendo “Complexidade”