O poder não corrompe, ele só evidencia e acentua nossa corrupção

A corrupção não está de quarentena! - Instituto Ethos

Hoje, 04 de novembro, é o dia da Favela. Podem rir.

O que alguns preferem chamar de ‘comunidades‘ é algo fantástico! Mostra toda a capacidade de adaptabilidade do pobre, desamparado totalmente dos ‘poderes’ públicos e das garantias constitucionais.

Ao invés da atenção e proteção estatais, são discriminados, marginalizados, ignorados, evitados e, fábrica de detentos e de ‘desassossego’ da classe média.

São grupos sociais que para ‘vencer’ na vida, precisam além do empenho pessoal – sem nenhum apoio institucional que os iguale na partida – superar o estigma de sua localização. Nascem condenados à perpetuação da miséria. Não dá para falar em ‘mérito’ num ambiente totalmente inóspito.

“Favela”, “morro”, “comunidade”, “aglomerado”, “complexo”, “periferia”, “quebrada”. Você já deve ter ouvido essas palavras. São nomes que as pessoas dão para aquele lugar onde se vive com pouco recursos, onde, em muitos casos, não se tem o básico.

É ali que vivem as pessoas que se viram como podem pra terminar o dia com dignidade e colocar comida na mesa, tomar um banho e vestir uma roupa limpa.” (Rick Chesther)

Rick é um sujeito que “não desistiu”, apesar de nascer num poço projetado para que ninguém saia.

Ele e os milhões de moradores nas favelas são vítimas dos corruptos que se utilizam da boa vontade e confiança numa espécie de humanidade que a favela cultiva entre os seus para manter a escravidão econômica e segregação social que caracterizam nosso país.

A corrupção tem grandes aliados: a incompetência, o desprezo pelos necessitados, a ignorância (que termina por eleger os mandatários corruptos), a impunidade, a indiferença dos mais esclarecidos, os caminhos já abertos …

“E eu posso dizer com orgulho que a favela tem muito a ensinar a você. O ambiente da comunidade é mais complexo do que muita gente imagina, e quem vê ou retrata a favela de fora, nem em sonho acredita nos milagres, na generosidade, no progresso, na humanidade, na força e na lealdade desse povo que não foge um minuto da luta.” (Rick Chesther)

Publicado por Dorgival Soares

Administrador de empresas, especializado em reestruturação e recuperação de negócios. Minha formação é centrada em finanças, mas atuo com foco nas pessoas.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: