Nossa bússola é a previsão do perigo

Uma reflexão a partir de Hans Jonas - Le Monde Diplomatique
(Hans Jonas, 1903-1993)

O mito de Prometeu indica que, através da técnica os homens podiam conseguir, por conta própria, o que antes teriam que pedir aos deuses. Mas há limites, principalmente éticos.

“O Prometeu ‘definitivamente desacorrentado’, ao qual a ciência confere forças antes inimagináveis e a economia, o impulso infatigável, clama por uma ética que, por meio de freios voluntários, impeça o poder dos homens de se transformar em uma desgraça para eles mesmos.” (Hans Jonas)

Para Hans Jonas, a técnica já foi reconhecida como um tributo determinado pela necessidade e não o caminho para um fim escolhido pela humanidade. A promessa da tecnologia moderna se converteu em ameaça.

“Concebida para a felicidade humana, a submissão da natureza, na sobremedida de seu sucesso, que agora se estende à própria natureza do homem, conduziu ao maior desafio já posto ao ser humano pela sua própria ação.

Nada se equivale no passado ao que o homem é capaz de fazer no presente e se verá impulsionado a seguir fazendo, no exercício irresistível desse seu poder.”

Defende o que chama de ‘ética da responsabilidade‘: a ética tradicional está centrada nos limites do ser humano. A natureza não era objeto da responsabilidade humana, pois cuidava de si mesma.

Kant dizia: “Age de tal maneira que o princípio de tua ação se transforme numa lei universal”.

Jonas propôs: “Age de tal maneira que os efeitos de tua ação sejam compatíveis com a permanência de uma vida humana autêntica. Não ponhas em perigo a continuidade indefinida da humanidade na Terra.”

Nossa bússola é a previsão do perigo. Somente com a antevisão da desfiguração do homem chegamos ao conceito de homem a ser preservado.

A ética precisa ir além da sagacidade e tornar-se uma ética de respeito, pois não se trata apenas do destino do homem, não apenas de sua sobrevivência física, mas também da integridade de sua essência.

A ética não pode só tratar do ‘ser’, mas também do ‘dever’ – a responsabilidade.

“Em vez de se preocupar com as consequências tardias no destino desconhecido, a ética tradicional concentrou-se na qualidade moral do ato momentâneo em si, no qual o direito do contemporâneo mais próximo tinha de ser observado.

Sob o signo da tecnologia, no entanto, a ética tem a ver com ações que têm uma projeção causal sem precedentes na direção do futuro.

Junte-se a isso a magnitude bruta dos impactos de longo prazo e também, com frequência, a sua irreversibilidade.

Tudo isso desloca a responsabilidade para o centro da ética.”

Publicado por Dorgival Soares

Administrador de empresas, especializado em reestruturação e recuperação de negócios. Minha formação é centrada em finanças, mas atuo com foco nas pessoas.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: