Napoleão III

Este imponente senhor da pintura, Charles-Louis Napoléon Bonaparte, era sobrinho de Napoleão Bonaparte. Victor Hugo o chamava de “Napoléon le petit“. Depois de muitas tentativas, viria a ser Napoleão III. Deveria ser estudado por todos os políticos. Quando Napoleão II morreu, em 1832, aos 21 anos – de tuberculose -, Luís Napoleão entendeu ser seuContinuar lendo “Napoleão III”

“É preciso viver.”

Amandine Aurore Lucile Dupin: George Sand, como se assumiu literariamente. O nome masculino, e os trajes, não eram sinais de homossexualismo. Ao contrário. Era uma força animal, muito feminina; uma criatura poderosa e indômita – após superar traumas da infância e juventude. E, ia aumentando seu poder de atração à medida que envelhecia. Já sessentona,Continuar lendo ““É preciso viver.””

“Com Voltaire, a pena voa e ri” (Victor Hugo)

Voltaire foi o autor do Dicionário Filosófico, embora, para se proteger dos poderosos, fomentadores da superstição, do fanatismo, da extravagância e da tirania, assumiu a autoria dos verbetes menos controversos e os mais delicados, designou a autores já falecidos ou estrangeiros. Victor Hugo dizia que “com Voltaire, a pena voa e ri”. Sua verve tratavaContinuar lendo ““Com Voltaire, a pena voa e ri” (Victor Hugo)”

Observações sobre Solano López

Solano López era o dono do Paraguai. Ao assumir a presidência da República, disse à sua companheira, a irlandesa Elisa Alicia Lynch, que conhecera num baile dado no Palácio das Tulherias por Napoleão III: “Senhora, desde esta noite, o Paraguai sou eu!” Levava isso a sério: exercia despoticamente a coerção política, através de uma redeContinuar lendo “Observações sobre Solano López”

“Quem aumenta seu conhecimento aumenta sua ignorância.” (F. Schlegel)

O que podemos conhecer da realidade? Muito, muito pouco. Quanto mais nos interessamos pelo saber, mais interesses consequentes, correlatos, aprofundados, aparecem. É uma aventura sem fim, felizmente. É uma lição de que o que importa é o caminho, não o destino. Quanto mais vemos o que existe de racional, mais é necessário ver também oContinuar lendo ““Quem aumenta seu conhecimento aumenta sua ignorância.” (F. Schlegel)”

Acrasia: falta de vontade

Quantas metas abandonamos? Somos bons em estabelecê-las, ruins em cumpri-las. Um primeiro passo, em geral, é procrastinar ou se distrair. Acrasia (Akrasia, em grego) é o nome disso: agir contra o que sabemos que é a coisa certa a fazer; é o que impede de nos tornarmos uma versão melhor de nós mesmos. Sócrates seContinuar lendo “Acrasia: falta de vontade”