A vida ruma para a morte. Não significa que a finalidade da vida seja a morte

Lucrécio, em De Rerum Natura, afirma que “Nada no corpo é concebido a fim de que possa ser usado. O que acidentalmente nasce é por causa de seu uso.” Qualquer biólogo evolucionista assinaria em baixo, embora Lucrécio tenha vivido entre 99 e 55 a.C. Esse pensamento contrariava a ideia vigente, aristotélica, de que “a naturezaContinuar lendo “A vida ruma para a morte. Não significa que a finalidade da vida seja a morte”