Trilhas e padrões

Numa palestra, Richard Feynman advertia: “… devemos olhar para as teorias que não funcionam e para a ciência que não é ciência. (…) É muito perigoso ter tal política de ensino – ensinar aos alunos apenas como obter certos resultados, em vez de como fazer um experimento com integridade científica.” Estereótipos são recursos de classificação.Continuar lendo “Trilhas e padrões”

Ciência e imaginação

A ciência precisa de imaginação. Faz sentido. Einstein, através de experimentos imaginados, associava a intuição à apreensão inteligível de um sistema de conceitos que escapam aos dados imediatos dos sentidos. Intuição intelectualizada, através de experimentos mentais que propiciariam a compreensão do incompreensível. Um “ato intuitivo” a serviço da inteligência. Ele sonhava com uma única teoriaContinuar lendo “Ciência e imaginação”

Flutuações quânticas: experimentos em fluxo

O artista londrino Markos R. Kay trabalha na interseção da arte digital e da ciência, construindo pontes entre o trabalho às vezes esotérico dos cientistas e do público. Para sua peça Quantum Fluctuations: Experiments in Flux (2016), Kay começou a expressar visualmente uma interação quântica – um fenômeno que é notoriamente inobservável. Primeiro, Kay criouContinuar lendo “Flutuações quânticas: experimentos em fluxo”

Teoria-M

“Um sistema não tem somente uma única história, mas todas as histórias possíveis.” (Richard Feynman) A física, em geral, adota uma abordagem baseada no “realismo dependente do modelo”. Se o modelo explica satisfatoriamente os eventos, tudo bem. É a verdade! Viés de confirmação. Agora, existe a ‘Teoria-M‘, uma teoria final do universo! Uma teoria queContinuar lendo “Teoria-M”