“O que não foi/ tocado é o que/ deixou sua marca/ mais nítida na mão.”

Volto com Ruy Espinheira Filho, o poeta baiano (quase um pleonasmo) que traz toda a complexidade da vida num lirismo nunca abandonado. À sua memória, aflora o eterno fluir, com nossa pegada – visível, indelével ou fugaz, efêmera – no tempo. Talvez por isso tenha recebido a alcunha de “poeta da memória”. “Com que contundênciaContinuar lendo ““O que não foi/ tocado é o que/ deixou sua marca/ mais nítida na mão.””

“Incerto, incauto renasço a cada dia” (Adonis)

Ali Ahmad Said Esber é um poeta sírio. Adotou o pseudônimo de Adonis em referência a uma fábula fenícia que se irradiou na mitologia grega. Na mitologia, Adonis atraiu o amor de Afrodite e de Perséfone. Problemas. Uma mulher só já requer atenção; duas desestabilizam. Vocês viram o debate de ontem. Ares, amante de AfroditeContinuar lendo ““Incerto, incauto renasço a cada dia” (Adonis)”

“Como guardará/ Esta noite e outras e manhãs e tardes e nossas vozes que aos poucos cessarão” (Ruy Espinheira)

Ruy Alberto de Assis Espinheira Filho nasceu em 1942, em Salvador. É jornalista, poeta, romancista, contista, ensaísta e cronista. É membro da Academia de Letras da Bahia. Ele é um dos mais importantes poetas líricos brasileiros da modernidade, na opinião de Miguel Sanches Neto. NESTA VARANDA (Ruy Espinheira Filho) Logo mais não estaremosAqui nesta varanda, emContinuar lendo ““Como guardará/ Esta noite e outras e manhãs e tardes e nossas vozes que aos poucos cessarão” (Ruy Espinheira)”

Tem gente com fome

Convenhamos, termos gente passando fome atualmente é um escárnio, uma maldade, uma ignorância do que é a vida. Você pode passar toda a sua vida bem nutrido, ignorando a fome que nos rodeia, mas nunca será alimentado de humanidade, a não ser que adquira uma sensibilidade pela dor alheia. A fome é atroz! Só quemContinuar lendo “Tem gente com fome”

“Acho que o grande mundo dos homens não deve ser como este.” (LI P’O, China, século VIII)

Leonardo Fróes costuma brincar com a vida levada a sério. Para ele, o dramático está perto do patético: “Só as aves entendem/ o que estou olhando ao longe/ sem pensar mas sentindo/ minha insignificância perfeita.” Sua poesia, diz Fabrício Carpinejar, “celebra até a queda; não reclama da fila, encontra algo da fila para pensar”. OLHARContinuar lendo ““Acho que o grande mundo dos homens não deve ser como este.” (LI P’O, China, século VIII)”

“… haverá ordem e eles quase não terão de pensar”

Em 1948, Bertolt Brecht retornava a uma Alemanha em reconstrução, mas já dividida pela Guerra Fria. Havia passado quinze anos no exílio, boa parte deles com os nazistas em seus calcanhares. Com o fim da guerra, acabara a perseguição baseada em opções políticas? Não. Ainda em Los Angeles, antes da sua volta, fora interrogado porContinuar lendo ““… haverá ordem e eles quase não terão de pensar””

O futuro como repetição

“… frequentemente os gregos parecem não ter acreditado muito em seus mitos políticos e eram os primeiros a rir deles quando os apresentavam em cerimônias”, comenta Paul Veyne. Porém, a procura da verdade é uma aquisição que a humanidade faz com extrema lentidão, lamentava Nietzsche, em 1873. Ferreira Gullar, sabia que “O mito é nadaContinuar lendo “O futuro como repetição”

“Sou dono e senhor do meu destino; eu sou o comandante da minha alma” (Henley)

O poeta inglês William Henley teve uma vida difícil, salteada de perdas. Aos doze anos de idade teve uma artrite causada pelo bacilo da tuberculose, o que levou à amputação da perna esquerda, aos dezesseis anos. Pouco depois, perdeu o pai e tornou-se arrimo da família. Dentre seus poemas, Invictus, de 1888, é um dosContinuar lendo ““Sou dono e senhor do meu destino; eu sou o comandante da minha alma” (Henley)”

Perdas e achados

A vida é uma trilha de perdas. Algumas são comezinhas, como perder o horário, a derrota do time, queda dos cabelos, quebrar uma unha, derrota do político preferido, falência etc. Outras são relevantes, marcantes: perder a confiança em alguém, ou a esperança no país, a saúde, a paz interior, um ente querido, o interesse pelaContinuar lendo “Perdas e achados”

“Aquilo que repousa na transformação fluida”

Paul Arvid Dornonville de La Cour, nasceu em 1902 e viveu até 1956. Foi escritor, poeta, tradutor e crítico literário dinamarquês. AGORA VOU Agora entro na pedra,logo serei montanha e frio,se não posso abrir minha profundidade,terei que ser uma fechadura.Algum dia as montanhas vão estourar,algum dia as fechaduras vão saltar,a pedra vai levantar seu olhoContinuar lendo ““Aquilo que repousa na transformação fluida””