“Punge-me sempre, cada vez mais a dúvida: o brasileiro é um povo em formação ou em dissolução?” (Capistrano de Abreu)

Capistrano de Abreu (1853-1927) era cearense e foi viver, às próprias custas, no Rio, aos 21 anos. Ao envelhecer, assistia a uma profunda crise dos valores e da linguagem pública. Comungava com José Bonifácio, que morrera em 1838, um amargor pela condução do país. Para Bonifácio, “no Brasil, o real vai além do possível.” “EsqueçaContinuar lendo ““Punge-me sempre, cada vez mais a dúvida: o brasileiro é um povo em formação ou em dissolução?” (Capistrano de Abreu)”

“Em uma terra radiante, vive um povo triste” (Paulo Prado)

Paulo Prado era rico, elegante, esportista e culto. Eça de Queirós ficou impressionado quando o conheceu: ” Menino, tu és uma perfeição humana”, exclamou. Era um mecenas, discreto. Coisa rara. Ao redor dos cinquenta anos tomou coragem para “tentar entender o Brasil”, e o brasileiro: ainda uma incógnita. O brasileiro, que senta na glória, antesContinuar lendo ““Em uma terra radiante, vive um povo triste” (Paulo Prado)”