“A menoridade é a incapacidade de fazer uso de seu entendimento sem a direção de outro indivíduo” (Kant)

“(…) gostaria somente de entender como tantos homens suportam às vezes um tirano só, que não tem mais poder que o que lhe dão, que só pode prejudicá-los enquanto quiserem suportá-lo, e que só pode fazer-lhes mal se eles preferirem tolerá-lo a contradizê-lo.” (Étienne de La Boétie) É surpreendente a teimosia de alguns “patriotas”, àContinuar lendo ““A menoridade é a incapacidade de fazer uso de seu entendimento sem a direção de outro indivíduo” (Kant)”

Como educar?

É sempre boa hora para se falar sobre educação, um esforço que pode mudar sociedades. O novo governo trouxe para o Ministério da Educação dois políticos cearenses prestigiados pela ênfase que foi dada à educação em seu estado. Nesta semana, faleceu Magda Becker Soares, uma educadora que via a alfabetização infantil por uma perspectiva multifacetada,Continuar lendo “Como educar?”

Submissão consentida

Entre os animais não-humanos vê-se regras de dominância, mas não de dominação. A dominação, típica dos humanos, é o poder de controlar os outros, como “autoridade”, normalmente com justificativas morais. A dominância é uma capacidade inata ou adquirida por um membro de grupo de sobressair. Isso não lhe dá o “direito” à coerção da vontadeContinuar lendo “Submissão consentida”

Sobre educação e fome. Sobre o quê?

Em 1954, Roger Cousinet (1881-1973) falava: “A educação não pode mais ser uma ação exercida por um professor sobre os alunos, ação que se revelou ilusória; ela é, na realidade, uma atividade por meio da qual a criança trabalha seu próprio desenvolvimento, colocada em condições favoráveis e com o auxílio de um educador que éContinuar lendo “Sobre educação e fome. Sobre o quê?”

Formação de subalternos

Somos dependentes de “educadores”; sem estes, estamos condenados à ignorância! Parece indiscutível que carecemos de educação, mas, necessariamente de “explicadores”? A educação depende sempre de um terceiro, um mestre, que nos abrirá os olhos para a realidade e aprendizagem? Sem isso não há progresso intelectual? Paulo Freire, entre nós, defendia a Educação como um atoContinuar lendo “Formação de subalternos”

Educação política

Há vários Projetos de Lei em proposição no Congresso tentando restaurar o ensino da Educação Moral e Cívica e Organização Social e Política do Brasil no currículo escolar. Alguns procuram reforçar a importância da unidade familiar na constituição e solidez de uma sociedade saudável. Outros, com viés do “bem”, defendem o tripé “Pátria, Família eContinuar lendo “Educação política”

Fome!

Em 1929, com apenas 20 anos de idade, Josué de Castro formou-se na Faculdade de Medicina da atual UFRJ e, em seguida, foi estagiar por alguns meses nos Estados Unidos. Depois, voltou para Recife, abriu um consultório, e pouco depois foi contratado por uma fábrica local para cuidar de trabalhadores com um estranho problema deContinuar lendo “Fome!”

Como o neoliberalismo vê o povo

“A democracia é apenas a substituição de alguns corruptos por muitos incompetentes”; “…é um sistema que faz com que nunca tenhamos um governo melhor do que merecemos”, dizia Bernard Shaw (que não viveu no Brasil). Há pouco tempo um ministro criticou o fato de que houve um período em que “Era todo mundo indo paraContinuar lendo “Como o neoliberalismo vê o povo”

A educação não é tudo; sem ela, porém, não se funda um futuro

A educação não garante, por si, um futuro promissor, equitativo e aspiracional. Entretanto, uma comunidade sem educação condena-se à dependência, escraviza-se aos detentores do saber, internos e externos. “Se a educação sozinha não transforma a sociedade, sem ela tampouco a sociedade muda”, resumia Paulo Freire. Educação, frisemos, não é mera reprodução de um conhecimento padronizado,Continuar lendo “A educação não é tudo; sem ela, porém, não se funda um futuro”

Paulo Freire, patrono

O pernambucano Paulo Freire faria cem anos hoje. Os políticos no poder atualmente acham que seu trabalho é perigoso, como aliás vêem toda educação. E, de fato, a proposta de Freire era transformadora (quase escrevi ‘revolucionária’). Ele é o “patrono da educação brasileira”; recebeu 35 títulos de Doutor Honoris Causa, concedidos por universidades européias eContinuar lendo “Paulo Freire, patrono”