“Nuvem tenebrosa”

O homem não é o centro do mundo; ele terminará por assimilar isso. A interdependência é o que rege a natureza – o homem é parte. Nada é durável; a impermanência dita o ritmo: não adianta apegar-se a ideias, coisas ou pessoas. A segurança está na adaptação. A vida flui e deve ser fruída. ElaContinuar lendo ““Nuvem tenebrosa””