“Ninguém pode obrigar ninguém a tomar vacina”

Como a cloroquina não pôde ser obrigatória, que vacinas também não sejam, lógico. A liberdade individual apregoada pelo governo não respeita a liberdade do outro. Como classificar isso? Populismo, hipocrisia ou somos, todos, otários? Phineas Taylor Barnum dizia, no século XIX: “Nasce um otário por minuto.” Referia-se ao otário teimoso, o que cai no mesmoContinuar lendo ““Ninguém pode obrigar ninguém a tomar vacina””