Os poderosos e os bodes expiatórios

Jean de La Fontaine (1621-1695) escreveu a fábula “Os animais doentes da peste”. Esopo (620-564 a.C.) teria sido o primeiro a contá-la, sendo seguido por muitos outros, inclusive os nossos Justiniano José da Rocha (1812-1863) e Monteiro Lobato (1882-1948). La Fontaine procurou traçar um retrato da aristocracia francesa do antigo regime, ressaltando a crueldade dosContinuar lendo “Os poderosos e os bodes expiatórios”

O consumo nos consome

Monteiro Lobato viveu em Nova Iorque entre 1927 e 1931. Escreveu lá alguns livros, entre eles, América, um diálogo com Mr. Slang, um personagem fictício. Não descobri porque esse nome (gíria, em português). Mr. Slang já havia opinado sobre o Brasil, num livro anterior, Mr. Slang e o Brasil. Neste livro, Lobato levantava várias questões,Continuar lendo “O consumo nos consome”

Negrinha, ou a dura lição da desigualdade

O amigo Honório Martins provocou-me: “terias coragem de publicar um texto ‘polêmico’ de Lobato?” Ora, claro. Lobato, embora controverso por algum viés conservador e ao mesmo tempo iconoclasta, foi um luminar nacional e visionário empreendedor. Os brasileiros merecem conhecê-lo, além do revolucionário Sítio do Picapau Amarelo. O conto Negrinha é um pungente retrato da discriminaçãoContinuar lendo “Negrinha, ou a dura lição da desigualdade”