O discurso da meritocracia

Declaração Universal dos Direitos Humanos Artigo 1Todos os seres humanos nascem livres e iguais em dignidade e direitos. São dotados de razão e consciência e devem agir em relação uns aos outros com espírito de fraternidade. Artigo 21. Todo ser humano tem capacidade para gozar os direitos e as liberdades estabelecidos nesta Declaração, sem distinçãoContinuar lendo “O discurso da meritocracia”

Sucesso e fracasso

Meritocracia! Faz sentido? O conceito até pode ser antigo – aristocratas, por exemplo, tinham o mérito de nascerem nobres – mas esse termo nasceu em 1958, criado pelo sociólogo Michael Young. Young ironizava; imaginava uma Inglaterra em que as pessoas, no futuro, seriam classificadas de acordo com seu mérito. Para ele isso não fazia sentido,Continuar lendo “Sucesso e fracasso”

“… pois onde está teu tesouro aí estará também teu coração.” (Mt 6: 21)

Em artigo recente, Paul Krugman volta a abordar os problemas americanos: “Desigualdade extrema, com desigualdade racial em uma escala que os brancos podem achar difícil de compreender. Uma rede de segurança social fraca, incluindo uma falha única entre os países avançados em garantir a saúde universal. Equilíbrio entre trabalho e vida pessoal terrível, com muitoContinuar lendo ““… pois onde está teu tesouro aí estará também teu coração.” (Mt 6: 21)”

“Um homem notável tem filhos notáveis”

Assim pensava sir Francis Galton, um dos propulsores da eugenia, com suas ideias sobre determinismo biológico. Era primo de Darwin. Galton era um polímata – um gênio, diriam, ou “o cão chupando manga”, na minha região – com um Q.I. de quase 200: médico, cientista, meteorologista, estatístico (os conceitos de ‘correlação’ e ‘regressão à média’Continuar lendo ““Um homem notável tem filhos notáveis””