Transfigurações

O ser humano evita o toque, o contato, com estranhos. Isso é natural. Essa é a razão principal para as distâncias que se estabeleceram entre nós. Essa aversão reflete nosso medo ao desconhecido, ao diferente. Nós, brasileiros (e outros latinos), temos uma característica: ao tomarmos a iniciativa de abordar alguém achamos que o outro jáContinuar lendo “Transfigurações”

Medos e mentiras

Recuperei uma entrevista de Delfim Netto, de 2007, na qual fala sobre Lula: “Lula já rejeitava o marxismo em seu discurso de posse no Sindicato dos Metalúrgicos, em 1975. Ele disse literalmente que ‘parte da humanidade havia sido esmagada pelo Estado, escravizada pela ideologia marxista, tolhida nos seus mais comezinhos ideais de liberdade, limitada emContinuar lendo “Medos e mentiras”

A vida tem ou faz sentido?

Para os existencialistas a vida seria um absurdo. Albert Camus, por exemplo, achava que não haveria valores universais, nem plano divino; tudo seria aleatório. Apesar de nossa racionalidade clamar por ordem e clareza que dêem um significado à nossa existência, o mundo que nos rodeia é indiferente e irracional. Hoje diríamos que ele é movidoContinuar lendo “A vida tem ou faz sentido?”

Lohengrin

Falei, outro dia, sobre Sêmele, a mãe de Dioniso (https://balaiocaotico.com/2022/03/31/o-que-o-mito-de-dioniso-nos-diz-hoje/). Vimos que a curiosidade de Sêmele em saber se seu amante era realmente Zeus, terminou por fulminá-la. Falaremos, agora, sobre o mito de Lohengrin, que virou uma das mais lindas óperas de Wagner, peça que chegou perto do ideal wagneriano de “obra de arte total”.Continuar lendo “Lohengrin”

A história é renitente

Em 1989, o historiador neoliberal Francis Fukuyama se empolgou com a concomitante derrocada de regimes totalitários, de esquerda e direita, e escreveu sobre o fim da história. Em 1992 saiu o livro (O Fim da História e o Último Homem), sucesso de crítica (favoráveis e destruidoras). Ele se apoiou nas ideias de Hegel (e depois,Continuar lendo “A história é renitente”

É a economia!

“Todo movimento de fundo nacionalista ou que tenha desembocado no fascismo foi construído por cientistas. O mito ariano, por exemplo, é uma concepção intelectual. (…) assim como o caso do darwinismo social ou a doutrina das raças, têm nos meios intelectuais um ponto de partida”, ressaltava Serge Moscovici, no seu “Representações Sociais”. Ele afirmava queContinuar lendo “É a economia!”

“Ciência sem consciência é apenas ruína da alma”. (Rabelais)

“É preciso dividir o tempo entre política e equações. Mas nossas equações são muito mais importantes para mim porque a política é para o presente, enquanto nossas equações são para a eternidade.” (Einstein) Descartes dizia que a técnica é o controle das forças da natureza. Mas, se a ciência e a técnica nos permitem controlarContinuar lendo ““Ciência sem consciência é apenas ruína da alma”. (Rabelais)”

Obviedades

A democracia não é garantia de baixa desigualdade. Depende da força de seus atores. Ela é facilmente e comumente dominada pelos poderosos, políticos e seus financiadores. Temos uma democracia dos 1%, para os 1% e pelos 1%. Da mesma forma, também os regimes autoritários – mesmo os de fachada socialista. Óbvio. Na democracia, pelo menos,Continuar lendo “Obviedades”

De que os líderes são feitos

Napoleão Bonaparte foi um grande líder? Grandeza, aqui, entendida como uma característica individual. Não há consenso. Na opinião de Tolstoi, ele não foi um general excepcional como se diz. Foi levado à vitória pela coragem e dedicação dos soldados franceses que ganharam a Batalha de Borodino. Esta ocorreu durante a Campanha da Rússia, em 7Continuar lendo “De que os líderes são feitos”

Para quem trabalham os economistas?

Malthus (1766-1834) dizia que nada, nada, poderia ser feito para melhorar a situação dos pobres, pois a razão pela qual as classes trabalhadoras eram pobres não estava nos lucros excessivos, mas no fato de que a população aumenta mais depressa do que a subsistência. A morte (epidemias, pestes, pragas, guerras e fome) tinha um papelContinuar lendo “Para quem trabalham os economistas?”