“Nunca dês um nome a um rio: sempre é outro rio a passar”

CANÇÃO DO DIA DE SEMPRE “Tão bom viver dia a dia … A vida, assim, jamais cansa … Viver tão só de momentos como essas nuvens do céu … E só ganhar, toda a vida, Inexperiência … esperança … E a rosa louca dos ventos Presa à copa do chapéu. Nunca dês um nome aContinuar lendo ““Nunca dês um nome a um rio: sempre é outro rio a passar””

Do inconsciente consciente (Mário Quintana)

“O meu inconsciente é mais observador que o meu consciente. Eu, por exemplo, se falo a primeira vez com fulano, não saberei lembrar depois (ou desenhar, o que dá no mesmo) o formato do seu nariz, a disposição das suas sobrancelhas, o jeito da boca, nem mesmo se tinha bigode ou não. Mas basta encontrá-loContinuar lendo “Do inconsciente consciente (Mário Quintana)”