Melancolia e depressão

“… não é incomum encontrar certa confusão entre as características dos quadros depressivos e melancólicos, como se fossem a mesma coisa. Não são. As características ‘depressivas’ do melancólico (negativismo, falta de ânimo, falta de autoestima, fantasias autodestrutivas, distúrbios somáticos e outras tantas manifestações de dor psíquica) podem se parecer, empiricamente, com as dos depressivos. Mas,Continuar lendo “Melancolia e depressão”

Maria Rita Kehl: A mínima diferença (1992)

Há cem anos não se fala em outra coisa. O falatório surpreenderia o próprio Freud. Se ele criou um espaço e uma escuta para que a histérica pudesse fazer falar seu sexo, num tempo cuja norma era o silêncio, o que restaria ainda por dizer ao psicanalista, quando a sexualidade circula freneticamente em palavras e imagens,Continuar lendo “Maria Rita Kehl: A mínima diferença (1992)”

Felicidade e ressentimento

Para Nietzsche, o ser humano declina. Seu grande medo é que o ressentimento se torne de tal forma contagioso e perigoso que consiga operar uma inversão dos valores. O ressentido exala vingança e impotência. Vivemos à busca da felicidade, mercadoria rara. Inexistente. Não existe a tal ‘felicidade’. Nem um ‘modelo de sucesso’ que a garanta.Continuar lendo “Felicidade e ressentimento”

O tempo e suas perspectivas

Maria Rita Kehl é psicanalista, crítica literária, jornalista, escritora e poetisa. Tem 69 anos. Imprevisões do tempo (1980) “Eu era muito velha. Aos quinze anos podia jurar que as noites de sábado foram feitas para se pintar os olhos e ter um namorado. Aos dezoito a maior batalha consistia em encher a semana de responsabilidadesContinuar lendo “O tempo e suas perspectivas”

Abandono emocional

“Ressentir-se significa atribuir ao outro a responsabilidade pelo que nos faz sofrer”, dizia Maria Rita Kehl, em 2004. O ressentimento é uma das ‘paixões tristes’, conforme Espinoza. A raiz da palavra “paixão” nos remete a páthos – a mesma origem de “patologia”. As paixões tristes, para Espinoza, são aquelas que diminuem a potência de agir do indivíduo.Continuar lendo “Abandono emocional”