Quando eu me for (Márcio Kazuo Teramoto)

QUANDO EU ME FOR … (TEXTO DE MÁRCIO KAZUO TERAMOTO) Não quero lágrimas, muito menos tristeza. Minha vida é alegre, e não será no final que deixará de ser. Amo e sou amado, quer razão maior para minha alegria? Se alguém perguntar quem fui, peço aos amigos que só falem como resposta: “Ele viveu”. NãoContinuar lendo “Quando eu me for (Márcio Kazuo Teramoto)”

Solidão, por Márcio Kazuo Teramoto

Cercado por uma multidão. Tempos estranhos, mesmo com uma centena de “amigos” virtuais ou não, a solidão se impõe. Triste sina, acesso as milhares de pessoas e não se consegue tempo para acessar o próprio interior. Talvez essa seja a causa. Esconde-se por trás de avatares e personagens criados para agradar os “amigos”. Esquece daContinuar lendo “Solidão, por Márcio Kazuo Teramoto”

Pequeno Texto sobre pessoas e baobás (por Márcio Kazuo Teramoto)

“Um baobá, se a gente custa a descobri-lo, nunca mais se livra dele. Atravanca todo o planeta. Perfura-o com suas raízes. E se o planeta é pequeno e os baobás numerosos, o planeta acaba rachando.“ (Antoine de Saint-Exupéry) E como o baobá, os sentimentos como inveja, ódio, avareza…nos racham e nos destroem, de dentro paraContinuar lendo “Pequeno Texto sobre pessoas e baobás (por Márcio Kazuo Teramoto)”

O invisível gera o visível, por Márcio Kazuo Teramoto

“O Essencial é invisível aos olhos” (Antoine de Saint-Exupéry) Tamanha sabedoria em uma simples frase. O mundo visível é consequência do mundo invisível. Se quer uma realidade diferente, mude primeiro por dentro. A cada vez que leio esta frase de Exupéry, lembro de uma velha história. Em um sítio havia uma amoreira; não dava frutosContinuar lendo “O invisível gera o visível, por Márcio Kazuo Teramoto”