“Se alguém lhe disser que uma certa pessoa fala mal de você, não se justifique sobre o que é dito sobre, mas responda: ‘Ele ignora minhas outras falhas, senão não teria mencionado só essas'” (Epiteto)

Epiteto (ou Epicteto) era um escravo do secretário de Nero. Viveu entre 55 e 135 d.C. Era um estoico. Preocupava-o o que torna uma vida plena e, como ter qualidades morais. Preocupações datadas. Hoje não faria sentido. “Se alguém realiza algum bem embora com trabalho, a labuta passa, mas o bem permanece; se alguém fazContinuar lendo ““Se alguém lhe disser que uma certa pessoa fala mal de você, não se justifique sobre o que é dito sobre, mas responda: ‘Ele ignora minhas outras falhas, senão não teria mencionado só essas’” (Epiteto)”

Hipocrisia e a mentira entronada

“A convivência entre os seres humanos só poderá, pois, ser considerada bem constituída, fecunda e conforme à dignidade humana, quando fundada sobre a verdade, como adverte o apóstolo Paulo: ‘Abandonai a mentira e falai a verdade cada um ao seu próximo, porque somos membros uns dos outros’ (Ef 4,25) Este é o início do capítulo 35Continuar lendo “Hipocrisia e a mentira entronada”

O poder que nos move

“O homem que tenta ser bom o tempo todo está fadado à ruína entre os inúmeros outros que não são bons”. Maquiavel, sendo maquiavélico. O poder tem seus encantos. Sentir-se poderoso é … embriagante. A ressaca se cura com mais poder. Mesmo os supostamente não empoderados têm suas esferas de poder, em âmbitos menores. AtéContinuar lendo “O poder que nos move”

Só se desilude quem se ilude¹, revisitada (por Ivan Marinho de Barros Filho)

DESMUNDE* Como é tolo acreditar nas palavras!Como é tolo acreditar!A vida é jogo, é esquiva.Depois do almoço, o jantar. Quem reza o terço da vidaNão conta à mesma contaE, se o faz é cativa,Do mundo, sequência pronta. Trinca de ás, sonho bestaQuando o garçom traz a notaDa conta. O poema diz do meu espírito melhorContinuar lendo “Só se desilude quem se ilude¹, revisitada (por Ivan Marinho de Barros Filho)”

Maquiavelismo

O choque de realidade trazido por Maquiavel foi visto como uma política de dominação, do excesso, e que fazia apologia da impostura, da mentira e da ilusão. Pragmatismo, para propósitos de poder; um retrato de como o Governo é, e não como deveria ser. Entre os defensores do relativismo moral de Maquiavel, encontra-se o juristaContinuar lendo “Maquiavelismo”

A lei dos peixes

O Arthashastra (“a ciência da política”) é um tratado indiano, iniciado no século 2 a.C., sobre a arte de governar, a política econômica e estratégia militar. O autor seria Kautilya, um Maquiavel indiano. Nele, se aconselha ao governante que ele deve iniciar projetos públicos para se manter a ordem social e a ética coletiva, de formaContinuar lendo “A lei dos peixes”