O mal entre nós

Quem começou a escantear de fato o pensamento cartesiano (racional e consciente) foi o Freud, quando inseriu o inconsciente no processo. Descartes não saberia explicar o comportamento de multidões que abrem mão de suas individualidades e do pensar para ladrarem pelo fim da democracia, pela instauração de uma ditadura! Na multidão, o indivíduo tem suaContinuar lendo “O mal entre nós”

Você é uma pessoa má? E os outros?

Somos intrinsecamente bons ou maus? Esta questão sempre me persegue. Eu me considero uma pessoa boa, que procura naturalmente não causar mal aos outros. Mas, sei que sou capaz de infligir sofrimentos, dadas certas circunstâncias. Imagino que a maioria das pessoas é assim, boa, e má quando necessário. Eu disse “maioria”. Há aqueles que acordamContinuar lendo “Você é uma pessoa má? E os outros?”

Trazemos a maldade conosco?

O mal está no coração da pessoa? É inato, adquirido ou reativo? O ser humano é um “ser caído”, que carrega o pecado na sua origem? Temos, de fato, o “livre-arbítrio” e, se sim, ele nos chegou como galardão ou como punição? “Se o homem já é como um de nós, versado no bem eContinuar lendo “Trazemos a maldade conosco?”

Negrinha, ou a dura lição da desigualdade

O amigo Honório Martins provocou-me: “terias coragem de publicar um texto ‘polêmico’ de Lobato?” Ora, claro. Lobato, embora controverso por algum viés conservador e ao mesmo tempo iconoclasta, foi um luminar nacional e visionário empreendedor. Os brasileiros merecem conhecê-lo, além do revolucionário Sítio do Picapau Amarelo. O conto Negrinha é um pungente retrato da discriminaçãoContinuar lendo “Negrinha, ou a dura lição da desigualdade”