“A obtenção do sucesso também é o começo de uma linda neurose.” (Freud)

Epicuro, criador da escola “hedonista”, era considerado, com desmedida fúria, inimigo da Santa Igreja, pela simples razão de que atribuía a infelicidade dos homens ao duplo medo, da morte e dos deuses. Ele, com sua doutrina, interveio para salvar a humanidade, e desafiar a religião, a fim de trazer aos homens a luz do conhecimentoContinuar lendo ““A obtenção do sucesso também é o começo de uma linda neurose.” (Freud)”

Epicuro e o medo da morte

Morrer faz parte. Mas não é uma ideia confortável para os que amam viver. Somos um evento fugaz na infinita história do Universo. Nossa existência, agradável para uns e incômoda para tantos, virará memória, que também se dissipará. O tempo apaga até amor eterno. Apesar disso, não há golpe maior na vida do que oContinuar lendo “Epicuro e o medo da morte”

A vida ruma para a morte. Não significa que a finalidade da vida seja a morte

Lucrécio, em De Rerum Natura, afirma que “Nada no corpo é concebido a fim de que possa ser usado. O que acidentalmente nasce é por causa de seu uso.” Qualquer biólogo evolucionista assinaria em baixo, embora Lucrécio tenha vivido entre 99 e 55 a.C. Esse pensamento contrariava a ideia vigente, aristotélica, de que “a naturezaContinuar lendo “A vida ruma para a morte. Não significa que a finalidade da vida seja a morte”