“Os deuses, quando amam, prendem o frêmito do cosmos”

Volto a mostrar mais um pouco da poesia de Khliébnikov. Abaixo há um link para uma publicação anterior. Após uma permanência no Irã, Khliébnikov regressou a Moscou, em 1921. A atmosfera da Nova Política Económica, de Lenin, que encontrou, com a sua essência mercantil, parecia profundamente alheia à sua natureza . Este não era oContinuar lendo ““Os deuses, quando amam, prendem o frêmito do cosmos””

Holodomor

A Ucrânia é um país cercado por interesseiras nações – principalmente a Rússia, que acha que nasceu lá, na Rússia de Kiev. Ela é considerada o “celeiro da Europa” devido à fertilidade de suas terras. O país é um dos maiores exportadores de grãos do mundo, com uma safra muito acima da média. Por isso,Continuar lendo “Holodomor”

Tão sagrada parece a pobreza dormindo.

Joseph Roth foi enviado por um jornal alemão à Rússia, para relatar a transformação comunista, em 1926, nove anos após a revolução. Ele, como tantos intelectuais, era simpatizante da mudança social que o leninismo conduzira na grande Rússia. Lenin havia morrido em 1924; em 1921 implantou a NEP, a Nova Política Econômica, um afago aoContinuar lendo “Tão sagrada parece a pobreza dormindo.”