O turco mascate (de José Ortiz Monteiro)

“Adib Chammas, quieto ganhador de dinheiro, não falava. Tinha fábricas, o maior moinho de trigo do mundo, um banco e fazendas. Muitas fazendas. Já nem sabia quantas. Uma fazenda, contudo, sempre mereceu dele uma especial predileção. Ali, a porteira nunca fechava. As portas da casa sempre abertas. Assim, ele queria. Um dia, perguntei-lhe o motivoContinuar lendo “O turco mascate (de José Ortiz Monteiro)”

O ipê amarelo (texto de José Ortiz Monteiro)

“Há um ipê na frente de minha casa. Um ipê amarelo, plantado com minha mão. Nobre árvore, consagrada como símbolo da Pátria. Cada ano, no rigor de um rito, num relance de dias, ele floresce e se apaga, recamando o chão de flores de ouro. (…) Ontem, um homem estava sentado junto da árvore. EraContinuar lendo “O ipê amarelo (texto de José Ortiz Monteiro)”