O que o mito de Telêmaco nos diz hoje?

Para Homero, um herói se distinguia por sua “excelência” (aretê, em grego, também significando adaptação), tanto no campo de batalha como no uso da palavra. Ulisses (Odisseu, em grego) é um desses heróis, a quem Homero lhe acrescenta a “astúcia”. Ele sabia que a esperança (quando muito desejada) é irmã gêmea da imprevidência, daí apostouContinuar lendo “O que o mito de Telêmaco nos diz hoje?”

Um pouco da Teogonia

A Teogonia, a Genealogia dos Deuses, teria sido escrita por Hesíodo, nos séculos VIII e VII a.C. Talvez fosse contemporâneo de Homero, talvez primos … não se sabe. É mito, mas revela a necessidade de se conceber o humano com referência direta e indispensável ao divino. “Ciente de sua precariedade, de sua mortalidade, o homemContinuar lendo “Um pouco da Teogonia”

A história é o que nos contam

O passado é incerto, não só no Brasil. O presente é confuso, multifacetado, caleidoscópico, permite mil leituras e nenhuma completamente verdadeira, porque sempre incompleta. Ninguém é onisciente. E é este o presente que estará, amanhã, nos livros de história. Então, conformemo-nos com nossas parcialidades. Afinal, somos partes. Esse é o drama da verdade. A “verdadeContinuar lendo “A história é o que nos contam”