O consumo nos consome

Monteiro Lobato viveu em Nova Iorque entre 1927 e 1931. Escreveu lá alguns livros, entre eles, América, um diálogo com Mr. Slang, um personagem fictício. Não descobri porque esse nome (gíria, em português). Mr. Slang já havia opinado sobre o Brasil, num livro anterior, Mr. Slang e o Brasil. Neste livro, Lobato levantava várias questões,Continuar lendo “O consumo nos consome”

Histórico da indiferença

“Por que eu sempre nado contra a corrente? Porque só assim se chega às nascentes”. (José Lutzenberger) “Sou pessimista quanto à raça humana, porque ela é tão engenhosa que acaba se voltando contra si mesma. Nosso modo de lidar com a natureza é obrigá-la à submissão. Teríamos mais possibilidades de sobrevivência se nos acomodássemos aContinuar lendo “Histórico da indiferença”

“Apenas as virtudes que admitem excessos”

As pretensões da pobreza, de Thomas Carew “Miserável pobre diabo, és por demais presumido Ao reivindicares um lugar no céu, na altura, Só porque tua humilde choça, ou tua tina, Acalenta alguma virtude indolente ou farisaica Sob o sol barato ou pelas fontes sombrias Com raízes e hortaliças; onde tua mão direita, Arrancando as paixõesContinuar lendo ““Apenas as virtudes que admitem excessos””