Bruno, o perturbador

Segundo Lucrécio, a filosofia está “destinada a libertar o homem do medo da morte e dos deuses”. Poucos levaram isso tão a sério como Giordano Bruno. Giordano Bruno não se contentava com pouco; não era parcimonioso quanto às ideias. Sua vida representava “uma rejeição ousada de todas as crenças católicas, baseadas na mera autoridade”, disse Hegel.Continuar lendo “Bruno, o perturbador”

“Uma ação é boa na medida em que respeita a pessoa humana e contribui para sua realização; caso contrário, a ação é má”

Não dá para assistir como se não dissesse respeito a nós. O Brasil patina há tempos; agora podemos retroceder também no espaço político. Essa democracia pífia que temos – mas que é como o pão dormido que não podemos descartar – está ameaçada, como sempre ocorre periodicamente neste país, que ainda não aprendeu a amarContinuar lendo ““Uma ação é boa na medida em que respeita a pessoa humana e contribui para sua realização; caso contrário, a ação é má””

A ordem das ideias deve seguir a ordem das coisas.

Giambattista Vico viveu durante o iluminismo e, de certa forma, criticava a preponderância na razão sobre o destino humano. O iluminismo foi importante por tirar do centro da vida humana os dogmatismos, quer religiosos, quer políticos e colocar a ciência (a razão) no seu lugar. A posição de Vico era – e nisso é muitoContinuar lendo “A ordem das ideias deve seguir a ordem das coisas.”

“Os que se dedicam à filosofia são homens que se estão preparando para morrer”

“Pétalas voam Todas elas fazem o Galho mais velho” (Yosa Buson, 1716-1783) Em Fédon, Platão insinua que a morte não é nenhum ponto-final catastrófico. Ela seria um ponto extraordinário de virada que leva a um ser superior. Ela aproximaria a alma do “invisível”, do “divino”, do “racional” e do “uniforme” que, como o imutável, permaneceContinuar lendo ““Os que se dedicam à filosofia são homens que se estão preparando para morrer””