A Guerra inevitável

Um ato individualizado no separatista bósnio Gavrilo Princip, em 28 de junho de 1914, “deflagrou” a Grande Guerra. Ele não agiu sozinho, era parte de uma organização que queria a libertação da Bósnia do jugo do Império dos Habsburgo. Era um domingo, e o arquiduque Francisco Ferdinando (herdeiro do Império Austro-Húngaro) passeava em Sarajevo comContinuar lendo “A Guerra inevitável”

Uma guerra patriótica

Jean Jaurès era um político francês do começo do século passado, pacifista. A primeira grande guerra estava no ar; os europeus, na prática, a queriam. A Alemanha queria consolidar-se como potência; a França queria vingança da derrota em 1870; os ingleses eram o maior império e ciosos de seu poderio … Então, aconteceu. Era aContinuar lendo “Uma guerra patriótica”