O prazer do ódio

O ódio move, talvez tanto quanto a paixão. Como a paixão, sua materialização não sacia. Dia desses, li sobre uma mulher que largou sua vida e dedicou-se unicamente a buscar vingança, num relato de Drauzio Varella. Sua irmã de 15 anos foi estuprada e esfaqueada na região genital. A revolta a fez largar o emprego,Continuar lendo “O prazer do ódio”

Fragilidade

Teu nome nas águas tão fundas, tão grandes Perde-se na espuma, castelo de instantes. No aço azul da noite teu firme retrato acorda entre nuvens já desbaratado. A sorte da pedra é tornar-se areia. Mas quem não soluça pensando em teu rosto reduzido a poeira … (Cecília Meireles) A consciência da nossa fragilidade nos fortalece.Continuar lendo “Fragilidade”