“Proteja-me do que quero” (Jenny Holzer)

Com o iluminismo, a partir do século XVIII, acreditou-se que haveria uma harmonia entre o “progresso” e aumento da felicidade. O progresso anunciado se traduziria em avanço do saber científico, uma disparada na produtividade, o “domínio” definitivo da natureza pela tecnologia, a libertação das mentes do jugo religioso, superstição e servilismo, a transformação das instituiçõesContinuar lendo ““Proteja-me do que quero” (Jenny Holzer)”

Não há mistério maior que a miséria (Oscar Wilde)

Há uma ânsia por “felicidade”, esse maná moderno. E, achamos que esta felicidade está nos outros, na sua atenção, no reconhecimento, nos afetos e cuidados demonstrados, naquilo que fortaleça nosso ego. A felicidade – curtos momentos de paz interior – está em nós mesmos. Daí, quebramos a cara, pois procuramos onde não se está. EsquecemosContinuar lendo “Não há mistério maior que a miséria (Oscar Wilde)”

Sacrifícios modernos

Sexo é bom e necessário; importa para nossas vidas. Dinheiro é bom e necessário; importa para nossas vidas. Juntar os dois tornou-se um “propósito” que tem cada vez mais adeptos. A ideia é tão antiga quanto a humanidade, mas nunca foi tão explorada e divulgada como atualmente. Há aplicativos que se agigantam ao popularizar asContinuar lendo “Sacrifícios modernos”

Felicidade e ressentimento

Para Nietzsche, o ser humano declina. Seu grande medo é que o ressentimento se torne de tal forma contagioso e perigoso que consiga operar uma inversão dos valores. O ressentido exala vingança e impotência. Vivemos à busca da felicidade, mercadoria rara. Inexistente. Não existe a tal ‘felicidade’. Nem um ‘modelo de sucesso’ que a garanta.Continuar lendo “Felicidade e ressentimento”

A felicidade é oblíqua

“Na verdade, sempre acreditei que a felicidade é o teste de todas as regras de conduta, e o objetivo da vida. No entanto, hoje percebi que esse objetivo só seria alcançado se não fosse um fim direto. Só é feliz quem direciona esforços para alcançar objetivos que não sejam a própria felicidade; para a felicidadeContinuar lendo “A felicidade é oblíqua”