Os poderosos e os bodes expiatórios

Jean de La Fontaine (1621-1695) escreveu a fábula “Os animais doentes da peste”. Esopo (620-564 a.C.) teria sido o primeiro a contá-la, sendo seguido por muitos outros, inclusive os nossos Justiniano José da Rocha (1812-1863) e Monteiro Lobato (1882-1948). La Fontaine procurou traçar um retrato da aristocracia francesa do antigo regime, ressaltando a crueldade dosContinuar lendo “Os poderosos e os bodes expiatórios”

A raposa e o corvo (Fedro)

“Quem se alegra em ser louvado, com palavras enganosas, com frequência o arrependimento tardio pela torpeza praticada penaliza.” “Um corvo, encarapitado no alto de uma árvore, queria comer o queijo furtado de uma janela. A raposa, logo que o avistou, põe-se a falar, com brandura, assim: ‘Ó corvo, nada mais brilhante que tuas penas! QuantaContinuar lendo “A raposa e o corvo (Fedro)”

O lobo e o cão (Fedro)

“Que a liberdade tem encantos – eis o que lhes vou mostrar em poucas palavras. Um cão grande e gordo encontrou por acaso um lobo magro e desfeito. Depois de se cumprimentarem mutuamente, pararam: – Donde vens – perguntou o lobo – que és tão brilhante, e com que viandas adquiriste essa tão grande corpulência?Continuar lendo “O lobo e o cão (Fedro)”