A escravidão, como vista por Espinosa

Espinosa entendia que todos os indivíduos são expressões singulares da potência absolutamente infinita da Natureza. Essa expressão precisa ser lida e relida; e entendida. Por isso, em cada indivíduo, seu direito é idêntico ao seu poder de exercê-lo, ou idêntico à sua potência de agir. Ele cunhou a frase “direito, ou seja, poder” (jus siveContinuar lendo “A escravidão, como vista por Espinosa”