É a economia!

“Todo movimento de fundo nacionalista ou que tenha desembocado no fascismo foi construído por cientistas. O mito ariano, por exemplo, é uma concepção intelectual. (…) assim como o caso do darwinismo social ou a doutrina das raças, têm nos meios intelectuais um ponto de partida”, ressaltava Serge Moscovici, no seu “Representações Sociais”. Ele afirmava queContinuar lendo “É a economia!”

Placebos e crenças

Placebo, em latim, significa “agradarei”. Era considerado um método de agradar o paciente na ausência de uma terapêutica. Não é coisa nova: já no século XVI, a Igreja Católica fazia uso de placebos para desacreditar supostas falsas possessões demoníacas. Indivíduos “possuídos” deveriam manusear falsas relíquias sagradas e, caso reagissem com contorções, eram consideradas falsas possessões,Continuar lendo “Placebos e crenças”

Os excluídos

A foto acima, de 1935, traz um jovem que supostamente manteve relações com uma judia, o que era proibido pelos nazistas, carregando um cartaz que diz: “Sou um poluidor da raça (ariana)”. A ideia dessas ações de propaganda era intimidar os que não concordavam com a teoria racial nazista. O que une, num regime autoritário,Continuar lendo “Os excluídos”