O ódio que nos alimenta

Não se odeia quando se está em dúvida. O ódio requer “certezas” absolutas. Em dúvida somos condescendentes, tolerantes. As certezas reduzem nossa humanidade pois criam uma sensação de proximidade com o “absoluto”. Entretanto, somos reles seres perdidos no tempo (desconhecemos nossas origens pré-natais e o futuro é incógnito) e muitas vezes no espaço, quando nãoContinuar lendo “O ódio que nos alimenta”

“Não se pode odiar duvidando do ódio.” (Carolin Emcke)

“Afundo num lodo profundo, sem nada que me afirme; entro no mais fundo das águas, e a correnteza me arrastando … Esgoto-me de gritar, minha garganta queima, meus olhos se consomem esperando por meu Deus. Mais que os cabelos da minha cabeça são os que me odeiam sem motivo …” (Salmos 69: 3-5) O ódio,Continuar lendo ““Não se pode odiar duvidando do ódio.” (Carolin Emcke)”