A obsessão pelo homogêneo, a “pureza”

Falei, noutro texto (https://balaiocaotico.com/2022/03/24/iliberalismo/), sobre o papel de Carl Schmitt na “fundação” teórica do Estado que depois reconheceríamos como nazista. Ele acreditava num “Estado total, aquele para o qual tudo é político, pelo menos potencialmente. (…) os pontos extremos da grande política são aqueles momentos nos quais o inimigo é percebido com uma clareza concretaContinuar lendo “A obsessão pelo homogêneo, a “pureza””

Iliberalismo

Já dizia Guimarães Rosa: “Obedecer é mais fácil do que entender”. Esta é, certamente, uma das razões pelas quais muitas pessoas preferem se submeter (do ponto de vista social, psicológico e econômico) a um tirano do que exercitar sua liberdade democrática. Os mais velhos lembram de Erich Fromm e sua preocupação com a liberdade. NumContinuar lendo “Iliberalismo”

“O medo não é uma visão de mundo”

O barão Kurt von Hammerstein-Equord foi comandante do Exército alemão de 1930 a 1934. Quando Hitler assumiu o poder supremo, no início de 1933, representava a encarnação da vontade unânime dos alemães. Havia sido eleito, tinha o apoio dos empresários e financistas e trazia a tiracolo a promessa das restaurações do orgulho e da economiaContinuar lendo ““O medo não é uma visão de mundo””