O inimigo está ao lado

É crescente a sensação de que inimigos nos cercam. De fato, há intenções malévolas nas esquinas, no trânsito, em casa, nas redes sociais, na política, no trabalho, na igreja. Os conservadores são os mais alarmados, pois pressentem que querem destruir o mundo – a cultura – como eles o reconhecem. A mudança é o grandeContinuar lendo “O inimigo está ao lado”

Nosso cérebro é uma fábrica de ilusões

“De alguma forma, dentro de nossos cérebros, a atividade combinada de bilhões de neurônios, cada um deles uma minúscula máquina biológica, está dando origem a uma experiência consciente”, diz o neurocientista Anil Seth. Parece óbvia a afirmação acima. O problema está em definir “experiência consciente”. Os budistas, muito antes do filme Matrix, vêem afirmando queContinuar lendo “Nosso cérebro é uma fábrica de ilusões”

O universo tende para o homem?

“Penso que a tarefa do século vindouro, perante a mais terrível ameaça já conhecida pela humanidade, vai ser a de reintegrar os deuses.” (André Malraux) Newton (1643-1727) acreditava que o universo seria uma imensa máquina composta por partículas materialmente inertes, submetidas a forças cegas. A partir de um pequeno conjunto de leis físicas, toda aContinuar lendo “O universo tende para o homem?”

O budismo e a visão ambiental

“A educação tem a ver com o processo do viver, não com a preparação para uma vida futura.” (John Dewey) O budismo não apresenta “verdades”, ao contrário de tantas religiões. Oferece um “veículo” para a “continuidade”, considerando que é impossível que alguma coisa acabe; ela muda, sempre. Nada é estável, tudo é impermanente e estáContinuar lendo “O budismo e a visão ambiental”

“A vida é um negócio que não cobre seus custos” (Schopenhauer)

É. Não dá para dizer que Schopenhauer era otimista, embora se comprometesse em buscar soluções para o ser humano suportar a dor de viver. Reforçava a nossa triste realidade e, as esperanças nulas e falsas sobre o bem que desta pode advir. O mundo seria “mais fumo do que luz”. Inspirava-se nas suas leituras sobreContinuar lendo ““A vida é um negócio que não cobre seus custos” (Schopenhauer)”