Falando de Pascal, por Fábio Adiron

Argumentum ad Hominem (literalmente, argumento contra o homem) é um tipo de falácia de relevância, um subgrupo do que é conhecido no campo da lógica como falácias não-formais. Quando não tem mais argumentos para usar, um debatedor agressivo, em vez de refutar a verdade do argumento adversário, ataca diretamente o caráter pessoal do oponente. Blaise Pascal, matemático, físico, inventor, filósofo e escritor, foiContinuar lendo “Falando de Pascal, por Fábio Adiron”

Semiótica

“Todos os homens filosofam; e, como diz Aristóteles, devemos fazê-lo nem que seja para provar a futilidade da filosofia. Os que negligenciam a filosofia têm teorias metafísicas tanto quanto os outros – só que têm teorias grosseiras, falsas, e verborrágicas.” (Charles Peirce) Na argumentação de Peirce, a lógica é apenas um outro nome para semiótica,Continuar lendo “Semiótica”

O império das leis é suficiente?

Em 1984, Norberto Bobbio publicou “O futuro da democracia – uma defesa das regras do jogo”. Bobbio era um pensador preocupado com a sobrevivência da democracia e com suas contradições. Defendia a manutenção das regras do jogo: o respeito às normas e às instituições da democracia é o primeiro e mais importante passo para aContinuar lendo “O império das leis é suficiente?”

Consiliência

O físico e historiador Gerald Holton cunhou a expressão ENCANTAMENTO JÔNICO, que considera a unidade das ciências; uma convicção de que o mundo é ordenado e pode ser explicado por um pequeno número de leis naturais. Einstein tinha esse ‘encantamento’. A referência é aos chamados filósofos pré-socráticos que habitaram a Jônia, província grega na costaContinuar lendo “Consiliência”

“O tempo depura tudo envelhecendo junto.” (Orestes)

A peça Eumênides é a terceira parte da Orestéia, de Ésquilo (525-456 a.C.), o pai da tragédia. Eumênides é um termo que Ésquilo usa para se referir às Erínias, as personificações da vingança sobre os mortais. A deusa Nêmesis também se encarregava da vingança, mas dos deuses. Na mitologia romana, as Erínias eram chamadas Fúrias.Continuar lendo ““O tempo depura tudo envelhecendo junto.” (Orestes)”

Causalidade e casualidade

“Eu defendo um direito ilimitado da razão controlar os sistemas de pensamento; no entanto, eu aludo a um modo de conhecimento extra-racional, que é adquirido com recursos diferentes da razão. Eu penso que esse modo de conhecimento extra-racional é primordial e essencial. Não há apenas pensamento, há também instinto, emoção, intuição, etc.” (Wolfgang Pauli, físico)Continuar lendo “Causalidade e casualidade”

O político Platão

Quando Platão se aproximava dos quarenta anos, ele visitou vários locais, entre os quais, a cidade-estado de língua grega de Siracusa, na ilha da Sicília. Em sua juventude, Platão havia considerado entrar na turbulenta política de Atenas, mas percebeu que suas reformas, pensadas para a constituição da cidade e nas práticas educacionais eram muito improváveisContinuar lendo “O político Platão”

Mundo alienado

O mundo gira num eixo excêntrico. Muitos ficam à margem, já no nascimento. As desigualdades os marcam e os aprisionam, não só com tornozeleiras sociais mas com correntes. As chaves são acessadas por poucos; não só por mérito. As pessoas mais carentes não são ‘capazes’ de se organizar e lutar pelo que é natural: disporContinuar lendo “Mundo alienado”

Pés de lótus

 A partir do século X, ter os pés deformados tornou-se um padrão de beleza na cultura chinesa, no caso de mulheres que não precisavam trabalhar. Essa tradição só começou a morrer no início do século passado. A mudança começou após um apelo à honra nacional. “Não há nada que nos torne mais ridículos do queContinuar lendo “Pés de lótus”

Alguns caminhos do saber

“Os velhos deuses estão mortos, ou estão morrendo, e em toda parte as pessoas perguntam: qual será a nova mitologia, a mitologia da terra unificada como um ser harmônico?” (Joseph Campbell) Os “hilozoístas”, pré-socráticos, acreditavam que toda a realidade – não só as espécies vivas – tinham ‘sensibilidade’; toda a matéria seria viva, animada porContinuar lendo “Alguns caminhos do saber”