“… colhe o dia, minimamente crédula no porvir”

Dylan Thomas, morreu em 1953, de alcoolismo, aos 39 anos. Um poeta! Não vás tão docilmente (1945) “Não vás tão docilmente nessa noite linda;Que a velhice arda e brade ao término do dia;Clama, clama contra o apagar da luz que finda. Embora o sábio entenda que a treva é bem-vindaQuando a palavra já perdeu todaContinuar lendo ““… colhe o dia, minimamente crédula no porvir””

“… natural, simples, humano, fiel a si mesmo: este é o perfil de Brossa …”

Joan Brossa (1919 – 1998). Esse poeta é ícone de criatividade; sua obra se caracteriza pela experimentação e pelo humor, é engajada e irônica. Sua obra poética está ligada às suas raízes catalãs e à denúncia social. Artista múltiplo; seus territórios eram artes plásticas, teatro, música, cinema, cultura popular, design gráfico, circo, cabaré e, política.Continuar lendo ““… natural, simples, humano, fiel a si mesmo: este é o perfil de Brossa …””