Bakunin, materialista e anarquista

O que seríamos sem os outros, mesmo para um egoísta? Tanto nossa liberdade individual como nossa personalidade só se realizam (potencialmente) se vivermos em sociedade, completando-nos com todos os indivíduos que nos cercam e graças ao trabalho conjunto, à força coletiva da sociedade. Sem os outros seríamos mais estúpidos e miseráveis que qualquer outro animalContinuar lendo “Bakunin, materialista e anarquista”

Lohengrin

Falei, outro dia, sobre Sêmele, a mãe de Dioniso (https://balaiocaotico.com/2022/03/31/o-que-o-mito-de-dioniso-nos-diz-hoje/). Vimos que a curiosidade de Sêmele em saber se seu amante era realmente Zeus, terminou por fulminá-la. Falaremos, agora, sobre o mito de Lohengrin, que virou uma das mais lindas óperas de Wagner, peça que chegou perto do ideal wagneriano de “obra de arte total”.Continuar lendo “Lohengrin”

Que venha logo a Era do Espírito Santo

Gioacchino dei Fiori, Joaquim de Fiori, viveu entre 1135 e 1202. Foi um abade e filósofo místico. Defendia o milenarismo. Para ele, já havia transcorrido a Era do Pai e a Era do Filho. Correspondiam ao mundo antigo e ao medieval – em curso. A cristandade deveria se preparar para uma nova Era, a doContinuar lendo “Que venha logo a Era do Espírito Santo”

Perguntaram a Bakunin quem foi o primeiro anarquista e ele respondeu: “Foi Adão, é claro, ele se rebelou contra a autoridade de Deus; quem se insurge contra qualquer autoridade é um anarquista”.

Kropotkin era um príncipe. Mas, renunciou a este título da nobreza. Preferiu o anarquismo. Atuou como sociólogo, geógrafo, filósofo, economista, cientista político, escritor, historiador e biólogo. Vamos falar um pouco sobre o biólogo. Em 1866, ele e dois amigos, viajaram para o leste da Sibéria pela aventura de encontrar uma hipotética mina de ouro indicadaContinuar lendo “Perguntaram a Bakunin quem foi o primeiro anarquista e ele respondeu: “Foi Adão, é claro, ele se rebelou contra a autoridade de Deus; quem se insurge contra qualquer autoridade é um anarquista”.”

Um ‘agitador’ no início do século passado

Houve uma época em que os operários queriam ter voz! Na República Velha (1889-1930), quando os governos oligárquicos tratavam a questão social como “caso de polícia” (acabou?), trabalhadores queriam reduzir a jornada para oito horas diárias e melhorias no ambiente de trabalho! Os imigrantes, principalmente espanhóis e italianos, não eram tão dóceis quanto o desejado.Continuar lendo “Um ‘agitador’ no início do século passado”

B. Traven ou …

Ret Marut, Richard Maurhut, Berick Torsvan, Traven Torsvan, Robert Marut, Fred Maruth, Alberto Otto Max Wiernecke, Adolf Rudolf Feige, Kraus, Martínez, Fred Gaudet, Lainger, Goetz Ohly, Anton Riderscheidt, Robert Bek-Gran, Arthur Terlelm, Hal Croves … ou B. Traven. Um nome para cada ocasião ou necessidade. Tinha passaporte inglês, americano, sueco, norueguês, lituano, alemão e mexicano.Continuar lendo “B. Traven ou …”

Omnia sunt communia (“Tudo é de todos”)

Thomas Müntzer queria ir além. Acreditava que não fazia sentido esperar a morte para que a justiça reinasse, ou que as injustiças cessassem. A Reforma Protestante em território alemão possui duas figuras, por vezes próximas entre si, por vezes muito distantes: Lutero e Tomás Müntzer.À medida que foi se envolvendo na vida de seus fiéis,Continuar lendo “Omnia sunt communia (“Tudo é de todos”)”