A linguagem do mundo nem sempre é a que achamos que falamos

“Fui sempre o que nunca serei”, frase atribuída a Branca Dias. Nossa capacidade de comunicação é muito relativa; os que nos ouvem escutam aquilo que querem ouvir, confirmando seu viés de entendimento. A fala, muitas das vezes, não gera relações dialógicas. Ou seja, os enunciados não se tornam unidades de interação social, mas de repressão,Continuar lendo “A linguagem do mundo nem sempre é a que achamos que falamos”