A raposa e o corvo (Fedro)

“Quem se alegra em ser louvado, com palavras enganosas, com frequência o arrependimento tardio pela torpeza praticada penaliza.” “Um corvo, encarapitado no alto de uma árvore, queria comer o queijo furtado de uma janela. A raposa, logo que o avistou, põe-se a falar, com brandura, assim: ‘Ó corvo, nada mais brilhante que tuas penas! QuantaContinuar lendo “A raposa e o corvo (Fedro)”