A Nêmesis chegará?

Aubrey de Gray é diretor científico de uma organização que se dedica a um modelo de reparação de danos projetado para combater as doenças da velhice, consertando ou desfazendo o que o corpo causa a si mesmo simplesmente por estar vivo. Ele sugere que a ciência médica está prestes a desenvolver tecnologias que, por meioContinuar lendo “A Nêmesis chegará?”

A dor educa

“As pessoas mais bonitas que conhecemos são aquelas que conheceram a derrota, o sofrimento reconhecido, a luta, a perda, e encontraram seu caminho para fora das profundezas. Essas pessoas têm uma apreciação, uma sensibilidade e uma compreensão da vida que as enche de compaixão, gentileza e uma profunda preocupação amorosa. Pessoas bonitas não acontecem apenas.”Continuar lendo “A dor educa”

Que futuro?

“Poucas coisas simbolizam o futuro tão poderosamente quanto as crianças – e agora, a incerteza do futuro está cobrando seu preço.  Nesta última semana, tive várias conversas com amigos de todo o mundo que estão lutando com a complexidade de orientar seus filhos em transições críticas em nosso contexto atual.  Seja de criança para criança,Continuar lendo “Que futuro?”

Educação política

Há vários Projetos de Lei em proposição no Congresso tentando restaurar o ensino da Educação Moral e Cívica e Organização Social e Política do Brasil no currículo escolar. Alguns procuram reforçar a importância da unidade familiar na constituição e solidez de uma sociedade saudável. Outros, com viés do “bem”, defendem o tripé “Pátria, Família eContinuar lendo “Educação política”

Perversões

Perversão tem várias acepções, todas no sentido de mudança de uma situação normal. Corrupção, por exemplo, já foi um tipo de perversão mas, acompanhando a dinâmica social, tornou-se normal, aceito. O termo, que só apareceu no nosso idioma no século XVI (coincidindo com a descoberta do Brasil), deriva do latim, significando “derrubar, inverter, erodir, desorganizar,Continuar lendo “Perversões”

Poderemos escolher como será nosso fim?

Inebriados, o capitalismo selvagem nos leva à destruição. Antes do fim da nossa espécie, porém, teremos o prazer de devastar o ambiente, como a um inimigo; revirar todas as reservas até deixar as entranhas da Terra à mostra; cavucar o solo marinho à busca de minérios; deixar nossa marca geológica (lixo) em todos os espaços;Continuar lendo “Poderemos escolher como será nosso fim?”

Você é uma pessoa má? E os outros?

Somos intrinsecamente bons ou maus? Esta questão sempre me persegue. Eu me considero uma pessoa boa, que procura naturalmente não causar mal aos outros. Mas, sei que sou capaz de infligir sofrimentos, dadas certas circunstâncias. Imagino que a maioria das pessoas é assim, boa, e má quando necessário. Eu disse “maioria”. Há aqueles que acordamContinuar lendo “Você é uma pessoa má? E os outros?”

Fome!

Em 1929, com apenas 20 anos de idade, Josué de Castro formou-se na Faculdade de Medicina da atual UFRJ e, em seguida, foi estagiar por alguns meses nos Estados Unidos. Depois, voltou para Recife, abriu um consultório, e pouco depois foi contratado por uma fábrica local para cuidar de trabalhadores com um estranho problema deContinuar lendo “Fome!”

Façamos do alimento o nosso remédio

Um amigo era hipocondríaco. Suas gavetas, no trabalho ou em casa, suas valises, seus bolsos – onde menos se esperava – eram cheios de remédios. Remédios para as suas doenças crônicas – das quais falava com um certo orgulho (sim, também tinha síndrome de Münchausen) – e para eventualidades. Ao viajar, se pudesse, se hospedariaContinuar lendo “Façamos do alimento o nosso remédio”

Como nos alimentaremos?

“Flexitarianos, reducetarianos, climaterianos. Veganismo preto, feminismo vegano. Carne cultivada, fermentação de precisão, comida ética, clean-meat, plant-based. A alimentação pede um novo e mais diverso léxico, que se multiplica no ritmo dos estilos de vida, comportamentos, pautas identitárias e profusão de tribos fora e dentro nas redes sociais. Se durante décadas a indústria de alimentos pautou-seContinuar lendo “Como nos alimentaremos?”