“A raposa sabe muitas coisas; o ouriço uma grande coisa.” (Arquíloco)

Arquíloco (680 a.C – 645 a.C.) era um guerreiro grego, mas também poeta. Dizia que “Não chegamos ao nível de nossas expectativas, caímos ao nível de nosso treinamento”. Aparentemente, era um defensor da especialização. Com esse mundo cada vez mais alvoroçado, discute-se se é melhor ser um especialista ou generalista. Essa questão não era comumContinuar lendo ““A raposa sabe muitas coisas; o ouriço uma grande coisa.” (Arquíloco)”

Comunitarismo contra o liberalismo econômico e o marxismo

Sebastião Barreto Campello é um engenheiro que desde a juventude trabalha em prol do social, seja no campo ou na cidade. Há 27 anos, fundou o Pró- Criança – entidade sem fins lucrativos, que visa minimizar as dificuldades vivenciadas pelos jovens carentes da Região Metropolitana do Recife por meio de trabalhos sociais, educação complementar eContinuar lendo “Comunitarismo contra o liberalismo econômico e o marxismo”

Sobre a juventude de Jesus

“Terminando de fazer tudo conforme a Lei do Senhor, voltaram à Galiléia, para Nazaré, sua cidade. E o menino crescia, tornava-se robusto, enchia-se de sabedoria; e a graça de Deus estava com ele.” (Lucas 2, 39-40) Há uma grande lacuna sobre a infância e juventude de Jesus nos evangelhos canônicos. Os de João e MarcosContinuar lendo “Sobre a juventude de Jesus”

A realidade parece ser feita mais de relações que de objetos

Douglas Adams via o mundo com estranheza: “O fato de vivermos no fundo de um profundo poço de potencial gravitacional, na superfície de um planeta coberto de gás que gira em torno de uma bola de fogo nuclear a 150 milhões de quilômetros de distância, e ainda pensarmos que isso é ‘normal’, é uma claraContinuar lendo “A realidade parece ser feita mais de relações que de objetos”

“Eu estou instalado no coração de todos” (Bhagavad-Gita)

A ciência se esforça para entender o que seria a “matéria escura”. Desde que Vera Rubin (1928-2016), nos anos 1970, demonstrou que a velocidade de rotação nas regiões externas de galáxias espirais é muito maior que aquela que seria produzida por suas estrelas, reforçou-se que a razão para isso seria a existência de “matéria escura”.Continuar lendo ““Eu estou instalado no coração de todos” (Bhagavad-Gita)”

Nossa vida parece viver-nos

O termo tibetano para designar corpo é “lü“, que significa “algo que você deixa para trás”, como bagagem, nas palavras de Sogyal Rinpoche. Transcrevo seu entendimento sobre o ócio no Ocidente: “A ociosidade ocidental consiste em abarrotar nossas vidas de atividades compulsivas, de modo que não sobre tempo para o confronto com os verdadeiros problemas.Continuar lendo “Nossa vida parece viver-nos”

Homem algum é uma ilha

Thomas Merton (1915- 1968) escreveu o livro “Homem algum é uma ilha”. Ele era um amigo do Brasil, em especial de alguns brasileiros, como Dom Hélder Câmara e Alceu Amoroso Lima e das poesias de Manuel Bandeira e Jorge de Lima. Nesse livro, dizia: “Por mais decadentes que pareçam o homem e o mundo, eContinuar lendo “Homem algum é uma ilha”

O que gira como uma coisa só

A Constante de Hubble corresponde à taxa na qual o Universo está se expandindo; uma medida de quão rapidamente o espaço entre as galáxias está se distendendo.  Extrapolar o processo de expansão para trás implica que todas as galáxias que podemos observar se originaram juntas em algum ponto no passado – emergindo de um BigContinuar lendo “O que gira como uma coisa só”

O elo perdido?

Para Zecharia Sitchin, evolução e criacionismo colidem. Ele passou a vida argumentando que os seres humanos evoluíram com uma pequena intervenção genética de astronautas antigos que vieram para a Terra e precisavam de trabalhadores para minerar ouro e trazer de volta a Nibiru , um planeta que ainda não reconhecemos. Como não tenho como dizerContinuar lendo “O elo perdido?”

O grão de mostarda

“O Reino dos Céus é semelhante a um grão de mostarda que um homem tomou e semeou no seu campo. Embora seja a menor de todas as sementes, quando cresce é a maior das hortaliças e torna-se árvore, a tal ponto que as aves do céu se abrigam em seus ramos.” (Mateus 13, 31-32) EstaContinuar lendo “O grão de mostarda”