Só se desilude quem se ilude¹, revisitada (por Ivan Marinho de Barros Filho)

DESMUNDE* Como é tolo acreditar nas palavras!Como é tolo acreditar!A vida é jogo, é esquiva.Depois do almoço, o jantar. Quem reza o terço da vidaNão conta à mesma contaE, se o faz é cativa,Do mundo, sequência pronta. Trinca de ás, sonho bestaQuando o garçom traz a notaDa conta. O poema diz do meu espírito melhorContinuar lendo “Só se desilude quem se ilude¹, revisitada (por Ivan Marinho de Barros Filho)”

O Homem; As Viagens (Carlos Drummond de Andrade)

O homem, bicho da terra tão pequenoChateia-se na terraLugar de muita miséria e pouca diversão,Faz um foguete, uma cápsula, um móduloToca para a luaDesce cauteloso na luaPisa na luaPlanta bandeirola na luaExperimenta a luaColoniza a luaCiviliza a luaHumaniza a lua.Lua humanizada: tão igual à terra.O homem chateia-se na lua.Vamos para Marte – ordena a suasContinuar lendo “O Homem; As Viagens (Carlos Drummond de Andrade)”