“Só eu sei que o sol nasce nos ladrilhos da cozinha”

“Tinha quatro anos quando fiquei densa, pesada de uma estranha sabedoria. Morávamos na Rua Maranhão, em São Paulo. Certa madrugada, a casa ainda escura, desci as escadas. Deslizei pelas salas, abri a porta da cozinha suspendendo-me nas pontas dos pés. E aí tive a grande revelação: o sol nascia nos ladrilhos brancos. O sol estavaContinuar lendo ““Só eu sei que o sol nasce nos ladrilhos da cozinha””

“Outro dia, quando saí para tomar um pouco de ar perto da casa de Tom Paine …” (Bob Dylan)

Thomas Paine era britânico. Viveu entre 1737 e 1809. Participou de duas revoluções, a da Independência americana (é um dos Pais Fundadores dos Estados Unidos) e da Revolução Francesa. “Participar em duas revoluções é viver para algum propósito”, escreveu para Washington. Não era um revolucionário “radical”; só queria liberdade, paz universal, civilização e comércio. SuaContinuar lendo ““Outro dia, quando saí para tomar um pouco de ar perto da casa de Tom Paine …” (Bob Dylan)”

Canções de uma ilha (Ingeborg Bachmann)

“(…) Quando alguém vai embora, tem de jogar ao mar o chapéu com as conchas recolhidas ao longo do verão, e partir com os cabelos ao vento, tem de lançar ao mar a mesa posta para o seu amor, tem de derramar no mar o resto de vinho que ficou no copo, tem de darContinuar lendo “Canções de uma ilha (Ingeborg Bachmann)”

Levaram os caminhos

“Há muitos anos que os caminhos se arrastavamSubindo para as montanhas.Percorriam as florestas perseguindo a distância,Lentos e longos deslizavam nas planícies. Passaram chuvas, passaram ventos,Passaram sombras aladas… Um dia os aviões surgiram e libertaram a distância,Os aviões desceram e levaram os caminhos”. “No tempo dos profetasEram eles que prediziamo que hoje predizem os poetas.” JoaquimContinuar lendo “Levaram os caminhos”

Certezas e absolutos

A realidade “ficcional” e a “real” se confundem num mundo cada vez mais virtual, aponta Byung-Chul Han. As saídas assumem, em geral, o papel de fugas. O pensar virou um palavrão, coisa de ‘intelectual’, outro nome para ‘inútil’, e impõe-se que só se permite duvidar das opiniões dos outros, nunca das próprias (introjetadas). O mundoContinuar lendo “Certezas e absolutos”

“Toda nação tem o governo que merece”

Joseph-Marie de Maistre é o autor da famosa frase do título. Na avaliação de Isaiah Berlin, ele seria um “precursor do fascismo”. Viveu entre 1753 e 1821. Era contra a Revolução Francesa e Ultramontanista, isto é, reforçava e defendia o poder e as prerrogativas do papa em matérias de disciplina e fé. Era um papa-hóstias. OContinuar lendo ““Toda nação tem o governo que merece””

Não é comigo …

“E não sobrou ninguém“  primeiro levaram os comunistas mas não me importei com isso eu não era comunista; em seguida levaram os sociais-democratas mas não me importei com isso eu também não era social-democrata; depois levaram os judeus mas como eu não era judeu não me importei com isso; depois levaram os sindicalistas mas nãoContinuar lendo “Não é comigo …”

Professor: o antecipador, o planejador e o criador da nova e maior ordem da vida humana

Como disse, em post anterior, H. G. Wells escreveu sobre Frederick William Sanderson, um reformador da educação na Inglaterra: “Tomamos, muito apropriadamente, as precauções máximas para excluir homens e mulheres de caráter imoral não apenas do ensino real, mas também de qualquer exercício de autoridade educacional. Mas ninguém jamais faz a menor objeção às influênciasContinuar lendo “Professor: o antecipador, o planejador e o criador da nova e maior ordem da vida humana”

“A religião é causa de divisões. A espiritualidade é causa de União.”

Teilhard de Chardin morreu em 1955. Sacerdote e cientista, dedicou sua vida a compatibilizar uma síntese entre fé e ciência. Sua intuição fundamental foi que “o Universo é uma evolução”. A Evolução, segundo ele, observada desde os primórdios do Universo, prossegue. E, com o aparecimento do Homem, passou do plano biológico para o social eContinuar lendo ““A religião é causa de divisões. A espiritualidade é causa de União.””

IMPROVISO (Castro Alves)

À MOCIDADE ACADÊMICA “Moços! A inépcia nos chamou de estúpidos!Moços! O crime nos cobriu de sangue!Vós os luzeiros do país, erguei-vos!Perante a infâmia ninguém fica exangue Protesto santo se levanta agora,De mim, de vós, da multidão, do povo;Somos da classe da justiça e brio,Não há mais classe ante esse crime novo! Sim! mesmo em face,Continuar lendo “IMPROVISO (Castro Alves)”